Ex-presidente Lula pode se tornar réu em processo por sítio de Atibaia

reywyw-640x385

Depois de condenado a nove anos e meio de prisão por conta do tríplex no Guarujá, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está prestes a se tornar réu no processo que investiga sua relação com o sítio de Atibaia, também em nome de terceiros, mas apontado pela Lava-Jato como mais um patrimônio que entrou no troca-troca de benesses com empreiteiros que tinham contratos com a Petrobras durante as gestões do petista.

Lula foi denunciado em maio pelo Ministério Público Federal (MPF) por corrupção e lavagem no caso do sítio, que recebeu reformas feitas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS e, segundo a força-tarefa, conduzidas pelo pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente e condenado na Lava-Jato por ter retirado um empréstimo em seu nome para o PT. O empréstimo foi quitado de forma fraudulenta.

Cabe agora ao juiz Sergio Moro aceitar ou não a denúncia do MPF e dar início ao processo penal.

Lula enfrentará artilharia pesada de seus antigos aliados. O empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, que ainda negocia acordo de delação premiada, pretende corroborar a denúncia, que atribui as reformas a gastos feitos com dinheiro de propina da Petrobras. No caso do tríplex, o testemunho de Léo Pinheiro foi essencial na condenação e só ocorreu na reta final do processo. Ele afirmou a Moro que o tríplex estava reservado a Lula desde 2009 e que foi orientado a não colocar o imóvel à venda.

Dada a quantidade de vezes em que o sítio foi citado na condenação referente ao tríplex (46), Moro já deu sinais de que pretende lançar uma luz em cada detalhe do processo. Diálogos entre pessoas envolvidas nas obras do sítio, mesmo aparentemente banais, serão usadas como “fortes indícios” da relação de Lula com a propriedade.

Moro avançará no processo do sítio à medida que forem apresentadas as apelações no caso do tríplex. A colaboração de Pinheiro deve contribuir para reforçar as acusações.

O Globo

Administrador

Deixe uma resposta