Agente socioeducativo feito refém relata momentos de terror no Ceduc Pitimbu

Foto: Reprodução/TV Tropical

O agente socioeducativo que foi feito refém por adolescentes infratores no Centro de Atendimento Socieducativo (Case Pitimbu), o antigo Ceduc Pitimbu, em Parnamirim, relatou os momentos de tensão sob ameaça dos adolescentes. Uma rebelião foi registrada na unidade na tarde dessa quarta-feira (24).

“Foi no momento de guardar dois internos que outros dois que estavam dentro do alojamento partiram para o tudo ou nada para cima de mim e de outros três colegas”, contou o homem de 46 anos.

De acordo com o agente, os quatro internos aproveitaram o momento antes de o portão do alojamento ser fechado. Eles estavam armados com facas artesanais.

“Antes de eu fechar o alojamento, eu já senti um objeto pontiagudo no pescoço, me deram uma gravata e me tomaram com refém”, acrescentou.

Em entrevista à TV Tropical, ele criticou as medidas adotadas pela gestão do sistema socioeducativo. “Não temos apoio, não temos qualquer tipo de incentivo por parte da presidência, da direção. Existe um manual de segurança que a gente segue e rasgaram esse manual a partir do momento que pedem a condução de um interno sem algema”, disse.

Além disso, o homem reclamou do atraso de pagamento de salários. “Nossos colegas estão há quatro meses, praticamente, sem receber salário. Isso sem contar o custo para chegar à unidade, quem depende de carro, de ônibus, seja o que for. Tem colega nosso passando por séria dificuldade financeira”, finalizou.

Dentro da unidade, os internos atearam fogo em colchões e lençóis. Os bombeiros foram acionados para controlar as chamas. Após a liberação do refém e o encerramento da rebelião, os infratores e os agentes foram conduzidos à Central de Flagrantes para prestarem depoimentos.

Portal da Tropical

Spread the love