Descrição do autor

Administrador

Em função da tragédia ocorrida em Realengo na última quinta-feira (7), quando um jovem de 23 anos matou 12 alunos e feriu outros 12 em uma escola do bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, o movimento Rio de Paz realizou por volta das 15h deste domingo (10) um ato público nas areias da praia de Copacabana, em frente à avenida Princesa Isabel, no qual reivindicou o combate ao tráfico de arma e munição. Cerca de 50 pessoas participaram.

De acordo com os organizadores, o evento também foi uma forma de expressar solidariedade aos parentes das vítimas. A ONG (Organização Não-Governamental) levou à praia 12 bandeiras brasileiras manchadas de tinta vermelha, que foram penduradas em varais, simbolizando, nas palavras da presidente Dilma Roussef, os “brasileirinhos mortos”.

O ato público foi encerrado com uma expressão dramatizada de compaixão pelas famílias das vítimas, de acordo com Antonio Costa, presidente do Rio de Paz.

– Há uma tarefa mais fácil de ser cumprida por nós cidadãos cariocas. Trata-se do trabalho de investigar como homens perversos podem tão facilmente obter arma e munição para interromper vidas humanas. O comércio ilegal de ambas as coisas é o principal meio encontrado por criminosos para disseminar desgraça.

Entenda o caso

Por volta das 8h de quinta-feira (7), Wellington Menezes de Oliveira, 23 anos (a polícia chegou a divulgar que ele tinha 24 anos, mas a idade foi corrigida posteriormente), ex-aluno da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro, entrou no colégio após ser reconhecido por uma professora e dizer que faria uma palestra (a escola completava 40 anos e realizava uma série de eventos comemorativos).

Conheça as vítimas do ataque à escola Tasso da Silveira

Acompanhe a cobertura completa do caso

Armado com dois revólveres de calibres 32 e 38, ele invadiu uma sala de aula no primeiro andar e outra no segundo, e fez vários disparos contra estudantes que assistiam às aulas. Ao menos 12 morreram e outros 12 ficaram feridos, de acordo com levantamento da Secretaria Estadual de Saúde.

Duas adolescentes baleadas, uma delas na cabeça, conseguiram fugir e correram em busca de socorro. Na rua Piraquara, a 160 m da escola, elas foram amparadas por um bombeiro. O sargento Márcio Alexandre Alves, de 38 anos, lotado no BPRv (Batalhão de Polícia de Trânsito Rodoviário), seguiu rapidamente para a escola e atirou contra a barriga do criminoso, após ter a arma apontada para si. Ao cair na escada, o jovem se matou atirando contra a própria cabeça.

Com ele, havia uma carta em que anunciava que cometeria o suicídio. O ex-aluno fazia referência a questões de natureza religiosa, pedia para ser colocado em um lençol branco na hora do sepultamento, queria ser enterrado ao lado da sepultura da mãe e ainda pedia perdão a Deus.

Os corpos dos estudantes e do atirador foram levados para o IML (Instituto Médico Legal), no centro do Rio de Janeiro, para serem reconhecidos pelas famílias. Onze estudantes foram enterrados na sexta-feira (8) e uma foi cremada na manhã de sábado (9).

O corpo do atirador permanece no IML. Ele ficará no local por até 15 dias aguardando reconhecimento por parte de um familiar e liberação para enterro. Caso isso não ocorra, o homem pode ser enterrado como indigente a partir do dia 23 de abril.

É um absurdo o alto volume dos carros de som da cidade de Macaíba, eles não respeitam ninguém, ignoram se você está ao celular, orelhão, ou simplesmente conversando com alguém. Onde está a secretaria de meio ambiente que não ver o que está acontecendo? Será que ela existe?  Alô Ministério Público, vamos  coibir esses abusos.

 

Ass. Redator.

 

Estamos próximos das eleições municipais, é chegada a hora do povo macaibense saber escolher os seus representantes do poder executivo e também do legislativo municipal. Não acredite em promessas mirabolantes e não venda seu voto em hipótese alguma, porque depois, você não terá condições de cobrar do seu candidato nenhum benefício para sua cidade, portanto, antes de votar em alguém, procure conhecer as suas propostas e metas de governo, só assim, poderemos construir uma Macaíba melhor.

 

 Ass. Redator

Pilotando sua motocicleta pelas ruas de Macaíba, Curió percebeu o quanto é difícil transitar. primeiro você vai e pega a direita pois, a esquerda é contramão, depois você volta porque é proibido entrar nessa rua, então, você desce e vai direto, aí, lá na frente você encontra um amarelinho e é multado. Entendeu? não? Nem eu.

 

 Carlinhos Soares

Para tentar entender tudo o que se passou dentro da escola e o que levou Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, a cometer o crime bárbaro na escola de Realengo, no Rio de Janeiro, a polícia iniciou depoimentos para tentar traçar um perfil do jovem. Além de alunos e funcionários do centro de ensino onde ocorreu o massacre, a polícia fluminense convocou parentes do atirador para depor. O primo de consideração Luciano André Pereira dos Santos, de 24 anos, que morou com Wellington até 2009, contou que o rapaz era antissocial, ficava trancado no quarto e não se relacionava com ninguém. Segundo ele, há 10 anos, Wellington foi jogado por colegas da Escola Municipal Tasso da Silveira dentro de uma lata de lixo porque sofria discriminação.

Luciano também contou que Wellington ficou mais estranho depois do atentado às Torres Gêmeas, nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001. “Desde aquele dia, Wellington assistia repetidamente à gravação das imagens do atentado e começou a se autointitular fundamentalista. Ele dizia a todos que ia jogar um avião no Cristo Redentor e até treinava com um jogo de computador que ensinava como pilotar um avião”, afirmou Luciano.

Ele disse que o primo não quis mais trabalhar depois de ser demitido de uma fábrica de alimentos, no ano passado, e que soube do barbeiro de Wellington que o rapaz deixou a barba crescer até o peito. “Ele passava pelos moradores e se dizia adepto de Bin Laden, por isso, colocaram nele esse apelido.” Em depoimento, Luciano disse ainda que Wellington chegou a comentar com o barbeiro que as pessoas se assustavam com ele.

Luciano e Wellington não se viam havia cerca de dois anos, desde que a avó de Luciano Dicéa Menezes de Oliveira, que adotou Wellington, morreu de infarto aos 72 anos. À polícia, Luciano disse que sempre achou que o primo faria algo de muito ruim e que, depois da morte da mãe adotiva, Wellington passou a beber muito e fumar cigarros. Ele foi adotado com 2 meses de vida porque a mãe biológica era esquizofrênica. “Mesmo no enterro da minha avó, que era tia da mãe de Wellington, ele ficou quieto em um canto, sem qualquer emoção. Era um homem frio, distante de todos os irmãos”, contou Luciano.

DOENÇA

Problemas psiquiátricos detectados durante a infância levaram a mãe adotiva de Wellington, Dicéa, a buscar ajuda médica para o filho. Wellington passou a tomar medicamentos de uso controlado, como relata à reportagem um dos irmãos que vivem no Entorno do Distrito Federal (DF). O uso ocorreu durante toda a infância, segundo ele. Foi interrompido na adolescência. É quando Wellington ficou mais recluso e passou a se trancar com frequência no quarto. A válvula de escape era a internet, meio por onde o jovem pode ter se informado sobre o uso ostensivo de armas de fogo, como acredita um de seus irmãos.

Os distúrbios psiquiátricos se manifestaram no início da infância. “Minha mãe tinha um carinho especial por ele, por saber que era filho de uma mulher com problemas mentais”, conta o irmão de Wellington ouvido pela reportagem. A morte de Dicéa, um ano e meio atrás, reuniu os seis irmãos no velório. Wellington morava com a mãe, era apegado a ela e reforçou o comportamento recluso e estranho aos olhos da vizinhança depois da morte da mãe. Antes, ele vivia com Dicéa numa casa no Realengo. Depois da morte dela, herdou uma casa em Sepetiba, bairro próximo na Zona Oeste. Teve muito pouco contato com os irmãos. “Conversei com ele três vezes depois da morte da minha mãe. Foi uma conversa normal de irmão de criação”, conta o irmão ouvido pela reportagem.

Como se diz no dito popular o governo Rosalba Ciarlini nestes primeiros 100 dias de governo “nem é carne nem é peixe”. Ou seja, até agora fez o feijão com arroz. Nos primeiros 30, 60 dias o governo olhou muito no retrovisor, esquecendo que o que passou, passou e que tem que olhar o presente e o futuro.

De resto, adotou algumas providências pontuais que teriam necessariamente que ser tomadas, tais quais:

1-Intervenção no Meios (Movimento de Integração e Orientação Social), Ong que presta serviços na área social e que recebia recursos do governo e que desde novembro seus funcionários estavam sem receber salários;

2-Acabou com o regime especial de tributação, pondo fim assim a concorrência desleal e as benesses gozadas por alguns segmentos econômicos no estado, o que pode levar ao aumento da arrecadação tributária até 50%, e;

3-Chamou para si a responsabilidade de efetivamente trazer a Copa 2014 para Natal.

Tomo isso como medidas de impactos no governo Rosalba nestes primeiros 100 dias. É vero que 100 dias é muito pouco para grandes realizações, mas é vero também dizer que o governo até agora “nem fede nem cheira”, outro dito popular.

Na Assembléia a oposição ainda é pífia. Aqui e acolá o deputado Fernando Mineiro (PT) pontua alguma coisa. No mais, a platéia assiste o bloco passar sem confusão. Aí o governo navega em céu de brigadeiro aprovando o que quer sem precisar se desgastar.

Portanto, os 100 primeiros  dias do governo democrata não trouxe grandes novidades. O cardápio do feijão com arroz, espera-se, deve ser mudado a partir de agora,  afinal Rosalba Ciarlini, como ela mesmo disse na campanha que não precisava de “muletas” para se apresentar ao eleitorado, certamente não precisará de “muletas” para governar o estado. A conferir!

Fonte: Blog do Barbosa

 

Depois de protagonizar  sucesso de varejo fashion na Riachuelo semana passada, a estilista Cris Barros sobe ao altar neste sábado em São Paulo.

O noivo é empresário paulistano Toninho Abdalla. A cerimônia  para 300 convidados acontecerá na mansão dele no Jardim Europa.

De Natal, embarcou esta manhã para prestigiar a cerimônia o casal Anna Cláudia e Flávio Rocha.

 

 

Fonte: laurita Arruda.

 

 
 
 
Para comemorar os 50 anos de casamento com a mulher Maria Santos, o aposentado José Cardoso, de 73 anos, comprou um carro zero para o casal. Mas o inusitado da história é que o veículo foi comprado com 34 mil moedas de um real. O aposentado levou sete anos para juntar as moedas e contou com a ajuda de comerciantes e feirantes. A história aconteceu na cidade de Bom Jesus da Serra, a 450 quilômetros de Salvador.
 
 
 

 

Curió é um colaborador dedicado, deixamos ele escrever a primeira vez, as pessoas gostaram, escreveu a segunda, recebeu mais elogios, aí ficou mascarado 

 

 

Se liga curió, nós não estamos satisfeitos com você. 

 Ass. Os redatores.

Visita

Falando no deputado Dibson Nasser, o mesmo esteve hoje visitando a feira livre de Macaíba, conversando com as pessoas e procurando saber quais os principais problemas enfrentados pelos feirantes e também pelo povo que lá se encontrava. Isso é bom, porque ele sente de perto a situação da população macaibense. Ao contrário de outros deputados, que só visitavam a nossa cidade a cada quatro anos, o deputado Dibson, está cumprindo uma das promessas que fez em campanha. Perguntado ao deputado como ele ver a cidade hoje, o mesmo respondeu o seguinte:” Macaíba é uma cidade que como muitas outras, tem muitos problemas, mas, com a parceria feita entre ele e a prefeita Marília Dias, o povo pode esperar muito trabalho e dedicação para sanar os problemas que nossa cidade enfrenta”.

Carlos Henrique Soares.

Revolta

 

  

 

 

 

Segundo um correligionário do deputado Dibson Nasser, há muitas pessoas revoltadas com o tratamento recebido pelo seu grupo, visto que, não estão chamando ninguém pra conversar. Além do mais, tem funcionários na prefeitura, que não engoliram as nomeações de algumas pessoas ligadas ao deputado Dibson Nasser. Além disso, o mesmo ficou sabendo que familiares do deputado foram nomeados em detrimento de correligionários que se empenharam na  campanha. 

 

 

Ass. Curió

 

O deputado Fernando Mineiro (PT) publicou informações no seu site sobre ato do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) com relação ao preço dos combustíveis, sobretudo a gasolina. Diz Mineiro:

– Há alguns dias, a população potiguar está indignada com ao aumento abusivo dos preços dos combutíveis no Estado. O assunto teve uma ampla repercussão nas redes sociais na internet e a imprensa buscou explicações para a questão, tendo sido bastante criticada o aumento do ICMS da gasolina.

No entanto, hoje, o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) publicou um Ato nº 7, que orienta o Preço Médio Ponderado a Consumidor Final – PMPF. Isso significa que o ICMS cobrado deve ser sobre este valor e não sobre os preços que estão praticados nos postos do Rio Grande do Norte.

Segundo o documento, no estado, o preço da gasolina não deve ultrapassar R$ 2,6550, valor muito diferente do encontrado pelos consumidores nos postos de combustíveis.

– Esse ato do Confaz deixa claro que o aumento não tem nada a ver com os aumentos de 2% do ICMS da gasolina, explica o deputado Fernando Mineiro que está acompanhando essa questão, e vai realizar audiência sobre a temática.

O ato vigora a partir de 16 de abril, no entanto, no RN, hoje, o ICMS já está sendo cobrado e continuará sendo cobrado até a próxima reunião de deliberação sobre esse valor.

A abordagem policial é um momento de muita tensão, cautela e atenção. O cidadão não pode se negar à uma abordagem, pois se assim o fizer estará incorrendo no crime de DESOBEDIÊNCIA, que está previsto no art. 330 do Código Penal Brasileiro.

 Através do conhecimento jurídico adquirido no curso de formação, ou em cursos de aprimoramento, como os da SENASP EAD, o policial deve saber que os atos administrativos são dotados de autoexecutoriedade e imperatividade, isto é, impõem-se à terceiros mesmo que estes não concordem.

No momento da abordagem, o cidadão deve somente obedecer às ordens emanadas pela autoridade policial, pois essa atitude representará boa parte da segurança da ação.

As abordagens e as buscas, sejam elas em pessoas ou em veículos, nada têm de constrangedor, pois trata-se de ato legal que tem como objetivo preservar a segurança da coletividade.  Em caso de reação à abordagem o cidadão estará incorrendo nos crimes de RESISTÊNCIA E DESOBEDIÊNCIA, previstos nos artigos 329 e 330 do CP.

Perante a resistência, o policial deverá usar dos meios necessários para defender-se como também para vencer a resistência da pessoa que reage de forma ativa ou passiva, conforme art. 292 do CPP.

Todas as medidas legais adotadas pelos policiais constituem-se em atos administrativos, como dito anteriormente, e independem de concordância do indivíduo que está na iminência de ser abordado, pois representam o Poder de Polícia do Estado em favor da coletividade e do interesse público.

Pra que uma abordagem seja menos demorada e menos incomoda sigas estas dicas:

·         Tente manter a calma e não corra.

·         Deixe sempre as suas mãos visíveis e de forma alguma realize movimentos bruscos; sempre que necessitar se movimentar peça permissão e avise antes de realizar o movimento, como por exemplo: desligar o carro, destravar as portas, destravar o cinto de segurança, pegar o telefone ou documentos, etc.

·         Não faça ameaças ou use palavras ofensivas contra o policial, pois estará incorrendo no cirme de DESACATO, previsto no art. 331 do CP. seja cidadão.

·         Responda claramente às perguntas feitas pelo policial.

·         Permaneça na posição determinada pelo policial, até que ele permita o seu relaxamento.

 

    Ninguém quer  estar diante de uma arma de fogo, mas, infelizmente, ninguém tras escrito na sua testa que é uma pessoa de bem, que não representa nenhum risco para a segurança do policial, como também para todos os presentes à área onde está sendo realizada a abordagem.

 

A Polícia Militar está e sempre estará à disposição de todo e qualquer cidadão.   LIGUE: 198

Rondinelli Dantas (Policial Militar)

Estudantes e populares estão realizando, na noite desta sexta-feira (8), um protesto contra o aumento no preço dos combustíveis em Natal. O posto São Luiz, na avenida Prudente de Morais, em Lagoa Nova, teve um de seus acessos fechados pelos manifestantes, que escolheram o local para fazer a mobilização.

Depois de campanha que começou na Internet, principalmente através do microblog Twitter, a população articulou o movimento em prol do boicote a alguns postos de gasolina de Natal e também as manifestações na rua, como a que ocorre nesta sexta-feira.

A intenção dos manifestantes é fazer com que o posto não consiga fazer grandes vendas durante a noite. As alternativas encontradas foi fazer com que os próprios participantes do protesto abastecessem seus carros, mas com pequenas quantidades de combustível, utilizando cartão de crédito para o pagamento do valor do mínimo possível, além da solicitação constante para testes da qualidade da gasolina (que é obrigatório) e os pedidos de notas fiscais.

No início do protesto, ainda não havia policiais no local. A expectativa é que a manifestação dure até o fim da noite.

Os empresários e empreendedores de pequenos negócios instalados em Macaíba, município que integra a Região Metropolitana de Natal, contam a partir de agora com os benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. A prefeita Marília Pereira Dias sancionou a lei, que foi aprovada pela Câmara Municipal de Macaíba no final do ano passado. O tratamento simplificado e diferenciado previsto em lei permitirá o fortalecimento dos 1.100 negócios formais, incluindo 124 indústrias principalmente dos setores têxtil e alimentício.

A reunião realizada na manhã desta sexta-feira (8) na Casa do Empresário de Macaíba contou com a participação do diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, do Presidente da Câmara de Vereadores, Thomas Sena, do Coordenador da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, Otomar Lopes Cardoso, do vice-presidente da Fecomercio e presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Luiz Antônio Lacerda e do vice-presidente da CDL/Macaíba, Jansen Bezerra Cortez, empresários e vereadores de Macaíba,

Na visão de Marília Dias, o ato do Executivo municipal se reveste de grande importância, na medida em que a legislação está sendo implantada para apoiar as micro e pequenas empresas e incentivar o desenvolvimento econômico e social. “Vamos fortalecer ainda mais a nossa economia, através da geração de renda, emprego e também de receita para o município”, calcula a prefeita, informando que foram arrecadados recursos da ordem de R$ 6,7 milhões em 2010 no município de Macaíba.

O diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, afirma que Macaíba é uma das principais economias do Estado e que a Lei Geral do município vai potencializar o seu desenvolvimento nos setores de comércio, indústria e agricultura de subsistência. A conquista dos benefícios terá reflexo na vida dos 69 mil habitantes do município, que terão mais oportunidade para empreender com todo o apoio necessário e até mesmo se inserir no mercado de trabalho.

O vice-presidente da Federação do Comércio do Estado e presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Luiz Antônio Lacerda, destaca a parceria com o Sebrae, instituição da qual ele faz parte do Conselho Deliberativo, é essencial ao desenvolvimento sócio-econômico de Macaíba. Lacerda articulou uma reunião com a prefeitura e demais entidades, incluindo a SEDEC, para realizar a 1ª Feira de Negócios de Macaíba, que poderá acontecer na primeira semana de julho deste ano. “Não há momento mais oportuno”, defende.

Com a Lei Geral sancionada em Macaíba, sobe para 122 o número de municípios com a legislação implantada no Rio Grande do Norte. “Os empresários de Macaíba tem a partir de hoje uma condição especial, podendo inclusive tornarem-se fornecedores de bens e serviços para o poder público. Com a lei ganha toda a população da região, devido aos impactos econômicos e sociais”, avalia João Hélio, lembrando que Macaíba conta com projeto apoiados pelo Sebrae, como uma mini-fábrica de castanha, unidades do PAIS (Produção Agroecológica, Integrada e Sustentável) e uma feira agroecológica, que tem a parceira da prefeitura local.

O presidente da Câmara Municipal, Thomas Sena, lembrou que a Lei Geral foi aprovada por unanimidade, devido ao fato dos vereadores entenderem que Macaíba necessitava de um ambiente legal favorável ao segmento das micro e pequenas empresas. O representante da CDL local, Jansen Cortez, agradeceu o apoio do poder público e enfatizou que a parceria com o Sebrae permitirá um amplo trabalho de capacitação para melhorar qualidade dos serviços e do próprio setor comercial da cidade.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias RN

 

 

 

O ex-prefeito de Macaiba (RN), Fernando Cunha Lima Bezerra, teve a prestação de contas referente ao exercício de 2002, considerada irregular pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), sendo condenado a ressarcir ao erário da quantia de R$ 38.198,00, referente à despesa com destinação não comprovada.

O voto foi relatado pelo conselheiro Alcimar Torquato, que relatou ainda processos da Câmara municipal de Coronel Ezequiel, uma apuração de responsabilidade do exercício de 2004/2005, responsáveis José Francisco dos Santos Filho e Carlos Alberto da Silva Costa. O voto foi pela imposição de  multas aos responsáveis de R$ 11.760,00 e R$ 4.299,20, respectivamente, referente a atraso na entrega das prestações de contas.

Da prefeitura de Espírito Santo, uma análise da documentação relativa ao período de janeiro a maio de 1996, responsável Francisco Araújo Souza. O voto foi pelo ressarcimento da quantia de R$ 29.416,64, referente a aquisição de material sem destinação especifica.

A conselheira Adélia Sales relatou processo da prefeitura de Caraúbas, uma documentação comprobatória de despesa referente ao 6º bimestre de 2001, responsável Luciano Augusto da Cruz. O voto foi pela irregularidade, com ressarcimento de R$ 10.603,80, ante a realização de despesas tidas como indevidas
 
Fonte: Blog do Barbosa

Rio de Janeiro – Comoção e dor marcaram o enterro de vítimas da tragédia na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro. No cemitério do Murundu, em Padre Miguel, também na zona oeste, centenas de pessoas chegaram cedo para acompanhar o velório e enterro de Larissa Silva Martins, de 13 anos; Mariana Rocha de Souza, de 12 anos; e de Géssica Guedes Pereira. O corpo desta última foi enterrado no Cemitério de Ricardo de Albuquerque.

Os corpos de Bianca Rocha Tavares, de 13 anos; e de Milena dos Santos Nascimento, de 14 anos, foram liberados do Instituto Médico Legal no final da manhã, e também foram levados para o velório e enterro no Cemitério do Murundu.

Em meio ao choro e desmaios de parentes, um helicóptero da Polícia Civil jogou pétalas de rosa no momento dos enterros, que foram acompanhados também pelo secretário de Segurança Pública do estado, José Mariano Beltrame, e pela chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha.

Beltrame lamentou a morte das crianças, mas afirmou que essas questões de segurança nas escolas são pequenas diante da monstruosidade do episódio. “Mesmo com a segurança interna, dificilmente iria se prevenir isso. A gente sabe que foi um ato insano de uma pessoa totalmente fora de suas faculdades mentais pra cometer uma barbaridade dessa natureza”, lamentou.

O secretário defendeu as campanhas de desarmamento que tenham o objetivo de instruir as pessoas a respeito do uso de armas letais, mas admitiu que “é leviano afirmar que atos como este não vão mais acontecer”.

Chorando muito, a estudante Isabela da Silva Cavalheiro, relatou o episódio que testemunhou e disse que nunca mais volta para escola Tasso da Silveira. “Quero voltar a estudar sim, quero ser aeromoça, mas para essa escola não volto nunca mais.”

Lucas Matheus de Carvalho, de 13 anos, também estava na sala no momento em que o atirador entrou. Ele disse que o homem só mataria meninas e que pouparia os rapazes. “Senti a dor do pai e de uma mãe, que levam os filhos para a escola felizes e duas horas depois descobrem que não têm mais seus filhos.”

Uma equipe de assistentes sociais da prefeitura do Rio acompanhou os enterros e na tenda montada no cemitério do Murundu prestaram atendimento a pelo menos 60 pessoas que tiveram crise nervosa. Oito delas precisaram ser removidas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Padre Miguel.

No Cemitério Jardim da Saudade, na Sulacap, também na zona oeste, o clima de comoção era o mesmo no velório e enterro de Rafael Pereira da Silva, de 14 anos; Karine Lorraine Chagas de Oliveira, de 14 anos; Larissa dos Santos Atanázio, de 13 anos; e Luiza Paula da Silveira Machado, de 14 anos.

Os corpos de mais três vítimas da tragédia aguardam liberação do Instituto Médico Legal.

Flávia Villela
Repórter da Agência Brasil

Sou um cidadão macaibense e estou indignado com a prefeita Marília Dias, a mulher só reforma as pracinhas. Tá conhecida como a prefeita das pracinhas, a cidade tá um caos e os puxa-sacos dela elogiam, assim não dá. Vamos fazer alguma coisa de útil né prefeita?. Enquanto isso, o ex prefeito Fernando Cunha e seu irmão sérgio Cunha com a esposa Ederlinda  passeiam num shopping de natal. Mas, logo veremos eles pelas ruas de Macaíba pedindo voto.   Deus nos acude!!!!!!!!! e agora quem poderá nos salvar????? 

 

Obs:  quero agradecer ao pessoal do site que me deu esta oportunidade.

 

Ass. CURIÓ

 

Convite

Prezado Senhor (a),

Temos a satisfação de convidar para participar de um café-da-manhã que será realizado no dia 08/04/2011(sexta-feira) as 7:30 h na sede da Casa do Empresário, que nesta solenidade a Prefeita Marília Dias Pereira irá sancionar a lei geral da Micro e pequena empresa, que já foi votada pela Câmara Municipal de Macaíba.

Certos de podermos contar com sua valiosa presença, agradecemos de antemão, a consideração dispensada.

Por favor, confirmar presença através do telefone 3271-1502.

Atenciosamente,

Luiz Antonio Bezerra Lacerda                           Roberto Ney Pinheiro Borges
Presidente do Sindcomércio                                    Presidente da CDL


Alunos e parentes de vítimas do massacre de crianças da escola municipal Tasso da Silveira, no Realengo, no Rio de Janeiro, buscam explicações para a tragédia. Ao mesmo tempo, os relatos dos estudantes são importantes para remontar a história daquilo que ocorreu na manhã desta quinta-feira (7), quando o jovem Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou atirando no local.

O Hospital Estadual Albert Schweitzer, que concentra os trabalhos de assistência médica, ganhou também reforço psicológico para lidar com os traumas dos sobreviventes. “Ela não quer voltar para a escola. Não sei o que eu vou fazer”, relata a mãe de uma garota de 13 anos ferida pelos disparos. “Ele (o atirador) entrou na sala, vestindo um jaleco, dizendo que ia dar uma palestra e começou a atirar. Minha filha pegou o celular para pedir socorro, quando ele atirou nela. O tiro pegou na barriga.”

Pai de outra garota ferida, o pedreiro Nilson Rocha, de 56 anos, passou pelo maior susto da vida. “Felizmente, a minha filha está bem. Fez exames e o médico vai decidir se ela continuará aqui ou se será transferida para outro hospital. Ela estava na sala de aula e o atirador chegou baleando todo mundo.”

Pamela Cristina Muniz, aluna do 7º ano da Escola Tasso da Silveira, foi ao hospital em busca de notícias sobre uma colega. Ela contou que os professores levaram os estudantes para o auditório, no último andar do prédio, quando ouviram os tiros. “Subi correndo. Só ouvi os tiros. Lá, eles trancaram a porta com cadeiras e com armários. Foi uma gritaria só. Todo mundo em pânico. Dá medo voltar à escola.”

Valéria Pires perdeu a irmã Samira, de 13 anos, que cursava o 8º ano. “A minha mãe está em estado de choque”, relatou.

Eram menos de 9h da manhã quando o atirador invadiu o colégio munido de dois revólveres e carregadores automáticos. Wellington matou 12 crianças, deixou mais 13 feridas e se suicidou.

O secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, ressaltou a assistência prestada pelos funcionários do Albert Schweitzer. “A comoção é muito grande e, ao mesmo tempo há solidariedade. Recebemos médicos do Albert Schweitzer que não estavam de plantão, enfermeiros que apareceram aqui para contribuir, que estão no centro cirúrgico, que estão ajudando e dando suporte para o atendimento as crianças.”

“Eles (os alunos) estão arrasados, precisando de todo o apoio. A ficha ainda não caiu. Agora é momento de trabalhar esse luto, para tentar um reequilíbrio e uma reinserção na sociedade. Porque eles precisam caminhar e continuar suas vidas”, acrescentou a psicóloga Helena Beatriz.

Enquanto se falam nas mudanças para o PSD, o líder do DEM na Câmara dos Deputados, ACM Neto (foto), entrou hoje (07) com uma representação pedindo a expulsão do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, do partido. O deputado alega que Kassab usou a estrutura partidária do DEM para criar uma nova agremiação, o Partido Social Democrático (PSD).

Segundo ACM Neto, Kassab teria usado o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da Comissão Provisória do Estado de São Paulo, criada pelo DEM para registrar domínios da internet que seriam usados pelo PSD.

 

Fonte: Robson Pires.