Categoria: Educação

Foto: Marcello Casal Jr

A partir desta terça-feira (4), o Ministério da Educação (MEC) divulga o resultado dos candidatos pré-selecionados no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A complementação da inscrição desses estudantes começa hoje mesmo e segue até as 23h59 de quinta-feira (6). Nesta edição, 107.875 mil inscritos disputam 30 mil vagas, ofertadas em mais de 1,3 mil instituições de ensino superior.

Lista de Espera

Quem não foi selecionado na chamada única do Fies ainda pode disputar uma das vagas ofertadas por meio da lista de espera, em que a inclusão é automática. Nesse caso, o prazo de convocação segue até as 23h59 de 31 de agosto.

Programa

O Fies é um programa do MEC que concede financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, em instituições particulares de educação superior. O fundo é um modelo de financiamento estudantil moderno, divido em diferentes modalidades, podendo conceder juro zero a quem mais precisa. A escala varia conforme a renda familiar do candidato.

Agência Brasil

Foto: Arthur Barbalho/Lais/UFRN

G1 RN – Antes do final de agosto, o comitê científico do Rio Grande do Norte não terá condições de apontar uma possível data para retorno das aulas presenciais de forma segura no Rio Grande do Norte. Isso é o que garante a médica infectologista e professora da UFRN, Marise Reis, que faz parte do grupo de pesquisadores que assessora o governo do estado nas tomadas de decisão sobre a pandemia da Covid-19 e recomendou o adiamento da volta às aulas presenciais, que era prevista para agosto. A decisão final sobre o processo de reabertura das atividades, no entanto, cabe à administração estadual.

Para a profissional, além de as escolas serem um ambiente com “alto risco de infecção”, o estado não tem capacidade atual para atender a uma possível demanda de leitos para crianças com casos graves de Covid-19. Por mais que sejam raros, os casos poderiam ser mais numerosos com o retorno de cerca de 800 mil alunos à sala de aula, somente no ensino básico. “Ao trazer esse contingente grande para exposição ao vírus, eu vou trazer um evento que é raro. Mas na hora que eu tenho um grande número exposto, eu posso ter um número razoável de casos que precisem de suporte de saúde”, considerou.

Nós precisamos de uma rede de saúde adequada para cuidar de crianças graves. E nós não temos isso no Rio Grande do Norte hoje. O estado se preparou montando leito de terapia intensiva para adultos, e está bem suprido, mas não tem para crianças.

— Marise Reis, professora de Infectologia da UFRN

A volta às aulas presenciais após praticamente cinco meses de suspensão, foi um dos temas mais comentados, ao longo da semana, no estado. Na quarta-feira (29), o governo do estado apontou o adiamento do prazo previsto inicialmente para o dia 17 de agosto. No mesmo dia, a Prefeitura de Natal marcou data para a volta as aulas e depois recuou da decisão. No dia seguinte, o comitê científico apresentou o parecer contrário à reabertura, após reunião realizada também na quarta (29).

Confira a entrevista completa AQUI.

Foto: André Melo Andrade/Myphoto Press/Estadão Conteúdo

O Ministério da Educação (MEC) publicou uma retificação ao edital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, em que afirma que os candidatos terão que usar máscaras desde a entrada nos estabelecimentos da prova até a saída, tanto na prova impressa quanto na digital.

Os participantes poderão levar máscara reserva para trocar durante a aplicação. Caso se recuse a usar máscara, o candidato poderá ser eliminado. A publicação está no “Diário Oficial da União” desta sexta-feira (31).

Ao todo, 5,8 milhões de candidatos estão inscritos. Destes, 96 mil farão a prova digital. Além do uso de máscaras, o edital cita o respeito ao distanciamento quando o candidato for apresentar-se na sala de aplicação da prova.

O edital do Enem foi atualizado para alterar a data de realização do exame, já divulgada anteriormente. Em vez de novembro, como estava previsto antes da pandemia, a prova será feita em janeiro e fevereiro, com resultados divulgados em março (veja cronograma abaixo).

As regras também foram reescritas para incluir os cuidados sanitários para evitar a proliferação do coronavírus. O uso constante da máscara é uma das mudanças e, agora, é uma das obrigações do participante.

“Comparecer ao local de provas utilizando máscara para proteção à Covid-19. A máscara deve cobrir totalmente o nariz e a boca do participante, desde a sua entrada até sua saída do local de provas. Será permitido que o participante leve máscara reserva para troca durante a aplicação”, diz o edital.

O único momento em que será permitida a retirada do acessório é durante a identificação do estudante – ainda assim, o edital afirma que o manuseio da máscara deverá ser feito pelas laterais, sem tocar na parte protetora, como é preconizado por infectologistas. Acompanhantes de lactantes também deverão usar o acessório o tempo todo.

O uso da máscara é dispensado para pessoas com autismo, deficiência intelectual, deficiências sensoriais ou outras deficiências que as impeçam o uso adequado.

Cronograma do Enem

Adiado após pressão de estudantes e parlamentares por causa da pandemia de Covid-19, o novo cronograma do Enem prevê:

Provas impressas: 17 e 24 de janeiro, para 5,7 milhões inscritos

Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro, para 96 mil inscritos

Reaplicação da prova: 24 e 25 de fevereiro (para pessoas afetadas por eventuais problemas de estrutura)

Resultados: a partir de 29 de março

G1

O Ministério da Educação (MEC) está realizando uma pesquisa nacional com alunos e professores de instituições de ensino de todo o país para saber sobre as experiências vivenciadas com as aulas remotas. Na UFRN, o professor ou aluno que participou das atividades acadêmicas em formato remoto do Período Letivo Suplementar Excepcional (PLSE) 2020.5 pode contribuir respondendo a pesquisa. O prazo de preenchimento do questionário é até esta sexta-feira, 31, por meio deste link, para professores, e deste link, para alunos.

A pesquisa é realizada pela Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (SERES) do MEC, em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), e busca orientar as políticas regulatórias e de supervisão, principalmente enquanto não for possível o retorno normal das atividades acadêmicas.

A proposta é entender a percepção de professores e alunos sobre a nova rotina de aulas e estudos por meio remoto, e obter informações sobre quais foram as ferramentas e tecnologias utilizadas para as aulas remotas. A participação de discentes e docentes é importante ainda para a melhoria das políticas regulatórias e de supervisão do sistema federal de ensino superior.

A iniciativa é um desdobramento da publicação da Portaria do MEC nº 544, de 16 de junho de 2020, que trata da substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais durante a pandemia da covid-19.

Na UFRN, o PLSE foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), por meio da Resolução Nº 023/2020, que dispôs sobre a regulamentação da oferta de componentes curriculares e de outras atividades acadêmicas durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19). A decisão teve caráter excepcional em função da suspensão das aulas e das atividades presenciais na Instituição. O PLSE teve o encerramento das aulas nesta quarta-feira, 29.

Hellen Almeida de Agecom


Com a aprovação do Período Letivo Suplementar Excepcional (PSLE) pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE) da UFRN no dia 1° de Junho, diversas foram as adaptações e dúvidas sobre a nova modalidade de ensino remoto. Pensando nisso, a direção da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN), junto com a comunicação da escola, resolveu criar um conteúdo com relatos dos professores e estudantes sobre o semestre letivo e tirar as dúvidas quanto ao novo formato.

“Inicialmente, a ideia era a gente produzir apenas um vídeo sobre o PLSE, mas resolvemos fazer uma microssérie, dada a quantidade de material que recebemos. Quisemos mostrar que nesse período era possível aprender e que o semestre suplementar poderia dar certo”, diz Adèle Oliveira, que faz parte da comunicação da EAJ e é a responsável pela série.

Adèle conta que nos vídeos que recebeu dos professores, alguns relataram as estranhezas e as dificuldades iniciais com as novas ferramentas do ensino remoto, sobretudo os professores mais antigos da EAJ, mas que, aos poucos, isso foi sendo vencido. Como é o caso do professor Nésio Barros, que teve a ajuda dos familiares para se adaptar a nova forma de trabalho. “Estava bastante ansioso e na expectativa para reiniciar as aulas, e também um pouco inseguro, já que tenho certas dificuldades no manejo de alguns equipamentos do computador, mas contei com o auxílio da minha esposa e do meu filho, que me ajudaram bastante”, disse.

O professor lembrou também em seu depoimento que o que mais gostou durante o ensino remoto foram as aulas síncronas, quando o contato com os alunos, através da internet, foi quase direto.

Além do relato de professores, a série também conta com depoimentos de estudantes, que apresentam os desafios e surpresas durante o PLSE. O estudante do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Yuri Araújo, contou que no início sentiu receio quanto às aulas remotas, mas que a experiência tem sido boa. “Nunca tinha estudado nessa modalidade, então não sabia como seria, mas tem sido uma experiência muito positiva e tenho aprendido bastante com os encontros com os professores e com os fóruns para discutir os assuntos abordados. É uma forma nova e diferente de se aprender, mas tem sido bastante interessante a experiência”, contou.

O PLSE 2020.5 encerra nesta quarta-feira (29), quando também vai ao ar o último episódio da série Meu PLSE. Para conferir todos os relatos, basta acessar as redes sociais da Escola Agrícola de Jundiaí, na internet.

Por João Mário Costa – Comunicação EAJ

ASSECOM/RN – Quase dois mil docentes da Universidade do Estado e professores das redes estadual e de oito prefeituras do RN já se inscreveram no curso “Aplicativos Google para Educação”, gratuito e on line, a ser ministrado pelo diretor da UERN Natal, Prof. Dr. Chico Dantas.

A prorrogação da suspensão das aulas presenciais em todos os níveis, do fundamental ao superior, está exigindo dos professores conhecimentos para o ensino remoto. Pensando nisso, Dantas, elaborou o curso, para, inicialmente, capacitar docentes da própria UERN, do Estado e de Natal. No entanto, outras prefeituras e instituições de ensino superior o procuraram solicitando a mesma oportunidade para os professores delas.

Com a ampliação, as inscrições estão disponíveis para professores da UERN, UFRN, IFRN, UFERSA, do Estado e de Natal, Mossoró, Parnamirim, Lagoa Nova, Paraú, Extremoz, Alto do Rodrigues e Ceará Mirim. Outras prefeituras também podem solicitar vagas enviando e-mail para natal@uern.br

“A UERN tem em seu DNA a prestação de serviços públicos e gratuítos, além do compromisso com a Educação no Rio Grande do Norte. Foi pensando nisso que não pude recusar os pedidos para ampliar o público do curso”, exlicou o Prof. Chico, que agora se preocupa em ampliar também a estrutura logística para atender mais professores conectados.

O objetivo é apresentar e/ou aperfeiçoar o uso de aplicativos Google no ensino remoto e no apoio às demais atividades inerentes ao dia-a-dia do professor. As aulas serão transmitidas pelo Youtube, e estudantes de Ciência da Computação atuarão como monitores, tirando dúvidas no chat, enquanto o conteúdo será exposto de forma bem didática, prática e interativa.

Gerenciamento de atividades, criação de documentos de forma colaborativa, compartilhamento de arquivos, desenvolvimento e gerência de salas de aulas virtuais estão no conteúdo do curso, que será ministrado em cinco módulos pelo canal YouTube/UERN Natal, semanalmente, sempre às segundas-feiras, das 14h às 17h, a partir de 03 de agosto.

As inscrições devem ser feitas até quinta-feira(30), através deste link: linktr.ee/chicodantas (o mesmo link pode ser encontrado na bio do perfil @uern.natal.oficial no Instagram).

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), está com inscrições abertas para pesquisador na área de Ciências da Computação. O edital é voltado para o Projeto Pesquisa aplicada para Integração Inteligente orientada ao fortalecimento das redes de atenção para resposta rápida à Sífilis. As inscrições podem ser feitas a partir desta terça-feira, 28, até o domingo, 2 de agosto, por meio da Plataforma de Processos Seletivos do LAIS, disponível no endereço https://selecoes.lais.huol.ufrn.br/.

O processo de que trata o presente Edital visa a seleção de graduado em Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Gestão em Tecnologia da Informação, Tecnologia em Redes de Computadores, ou cursos afins, com mestrado em Ciência da Computação.

Os candidatos aprovados no processo seletivo irão compor uma lista de cadastro de reserva, sendo então convocados conforme a ordem do resultado final deste certame, a disponibilidade de eventuais vagas e a validade do certame.

Heloísa Lemos de LAIS

Foto: Unb

Termina hoje (28) o prazo para os candidatos pré-selecionados na primeira chamada do Programa Universidade para Todos (Prouni) comparecerem às instituições de ensino e entregar os documentos que comprovem as informações prestadas no momento da inscrição. Quem perder o prazo ou não comprovar as informações é desclassificado.

Lista de espera

O resultado da 2ª chamada será divulgado no dia 4 de agosto. Quem não for pré-selecionado em nenhuma das duas chamadas do ProUni ainda pode disputar uma bolsa por meio da lista de espera. O prazo para que o candidato inscrito manifeste interesse nessa última etapa da seleção do Prouni de 18 a 20 de agosto. Nesse caso, o resultado será divulgado no dia 24 de agosto. O Ministério da Educação alerta que o pré-selecionado em qualquer uma das etapas do processo de seleção do Prouni deve ficar atento aos períodos estabelecidos no cronograma para apresentar os documentos.

Programa

O Prouni é um programa de acesso à educação superior que oferece bolsas integrais (100%) e parciais (50%). Nesta edição, que teve 440 mil 674 inscrições, foram ofertadas 167.780 bolsas em 1.061 instituições particulares de ensino superior.

Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr

Começam nesta terça-feira (28) e seguem até 31 de julho, pelo site as inscrições no processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), para o 2º semestre de 2020. O resultado será divulgado no dia 4 de agosto. Pelo cronograma, o período para complementação da inscrição dos candidatos pré-selecionados será do dia 4 até 6 de agosto.

Inicialmente, as inscrições no programa eram esperadas para a semana passada, mas foram adiadas depois que o Ministério da Educação (MEC) identificadas inconsistências no processamento da distribuição das vagas ofertadas pelas instituições de ensino superior. Segundo o MEC, a medida foi importante para assegurar “a lisura e a transparência do processo seletivo”.

Lista de espera

Os candidatos não pré-selecionados na chamada única do Fies podem disputar uma das vagas ofertadas por meio da lista de espera. Diferentemente dos processos seletivos do Sistema de Seleção Unificada e do Programa Universidade Para Todos, para participar da lista de espera do Fies não é necessário manifestar interesse. Todos os não pré-selecionados na chamada única serão, automaticamente, incluídos na lista de espera. O prazo de convocação por meio da lista de espera é do dia 4 até às 23h59 de 31 de agosto. Ler mais…

Wilson Galvão – ASCOM – Agência de Inovação/UFRN

Um grupo de cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) desenvolveu uma nova tecnologia para o combate ao Aedes aegypti. Em fase de testes, o produto farmacêutico é uma formulação que contém uma substância sintetizada com base em um produto natural presente no óleo de canela e que pode ser utilizada em diferentes formas, líquida ou sólida.

Um dos inventores envolvidos, o professor Leandro De Santis Ferreira pontuou que o produto tem facilidades relativas à possibilidade de aplicação do produto diretamente no mosquito na forma de spray, ou mesmo ser utilizado nos carros “fumacê”, como também para eliminar larvas em ralos e pratos de plantas sendo que a forma sólida tem vantagem no transporte, armazenamento e maior prazo de validade.

“O produto possui tanto atividade larvicida, contra as larvas do mosquito, durante a etapa do seu desenvolvimento, bem como atividade inseticida, contra o mosquito na fase adulta. Assim, conseguimos desenvolver formulações com diferentes formas, líquidas e sólidas, que permitem uma aplicação mais eficaz de uma substância derivada de um produto natural, que possui atividade em diferentes estágios de desenvolvimento do vetor de diversas doenças graves. Além disso, o desenvolvimento das formulações pode prolongar a ação da substância. A substância possui atividade em larvas e no próprio mosquito adulto, em um cenário em que as substâncias comumente utilizadas ou apresentam toxicidade para o meio-ambiente ou já selecionaram os mosquitos resistentes e não são mais tão eficazes”, explicou Leandro De Santis.

O Aedes aegypti é vetor de diversas doenças endêmicas do nosso país como Dengue, Zika e Chikungunya. Segundo o Ministério da Saúde, até o final de maio deste ano, já foram notificados no Brasil quase 800 mil casos de dengue, 35 mil de Chikungunya e mais de três mil notificações de Zika. “A forma mais eficaz de combater estas doenças é controlar o mosquito responsável pela transmissão de todas estas doenças, uma vez que o processo para o desenvolvimento de medicamentos eficazes e vacinas é demorado e caro”, afirmou Addison Ribeiro de Almeida, servidor técnico-administrativo da UFRN que também integra o grupo de cientistas.

Além dos dois, completam a equipe envolvida, Waldenice de Alencar Morais Lima, Cícero Flávio Soares Aragão, Wilken Cesar Galdencio da Silva, Damião Pergentino de Sousa, Lorena Carneiro Albernaz e Laila Salmen Espindola. O estudo é vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas (PpgCF) da UFRN e rendeu um depósito de pedido de patente, denominado “Formulações líquidas e sólidas contendo cinamato de pentila, processo de obtenção e uso das mesmas para o controle de insetos hematófagos”, com co-titularidade dividida entre a UFRN, a Universidade Federal da Paraíba e a Universidade de Brasília.

“É relevante destacar que o patenteamento foi importante para a formação de recursos humanos na área de farmácia, contribuindo com a formação acadêmica de um servidor da UFRN, o qual concluiu mestrado defendendo dissertação de mestrado em 2020, com a formação de um aluno de graduação que realizou iniciação científica e defendeu trabalho de conclusão de curso de farmácia, além da formação científica de outros dois alunos do curso de graduação de farmácia que realizam iniciação científica neste projeto”, relatou Leandro De Santis.

Para a também professora do Departamento de Farmácia da UFRN, Waldenice de Alencar Morais Lima, esse processo de patenteamento apresenta relevância acadêmica por permitir a proteção da tecnologia desenvolvida no projeto, bem como a possibilidade de retorno à Universidade e sociedade por todo o suporte e investimento fornecido. Por sua vez, o também docente Cícero Flávio Soares Aragão acrescentou que “o patenteamento e a posterior publicação dos resultados em artigo científico de alto impacto, além de participação em eventos e em outros meios de divulgação, podem despertar o interesse de empresas para continuidade de estudos visando a futura comercialização do produto”. As próximas fases de desenvolvimento do produto objeto do pedido de patente são estudos em um processo de produção em maior escala, ou seja, que garanta a atividade da substância e ausência de toxicidade quando produzido e utilizado em quantidades maiores o que é necessário quando se pensa em produção para a comercialização do produto.

Sugestão de legenda: As próximas fases de desenvolvimento do produto objeto do pedido de patente são estudos em um processo de produção em maior escala, ou seja, que garanta a atividade da substância e ausência de toxicidade quando produzido e utilizado em quantidades maiores.

Foto: Marcello Casal Jr

O Ministério da Educação (MEC) adiou para 28 a 31 de julho as inscrições para Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) 2020/2, que começariam ontem. Segundo o MEC, a alteração se deu após a pasta identificar inconsistências no processamento de distribuição das vagas ofertadas pelas instituições de ensino superior. Os estudantes terão direito de escolha entre as vagas ofertadas por todas as instituições de ensino superior que aderiram ao processo seletivo do 2º semestre do Fies.

O Fies 2020/2 vai oferecer vagas com financiamento em faculdades particulares. Para 2020 estão previstas 100 mil vagas distribuídas entre os dois semestres, mas o MEC não informou quando vagas serão oferecidas na edição do segundo semestre.

Quem pode participar?

Para se inscrever no Fies, o candidato deve ter feito algumas das edições do Enem entre 2010 e 2019 e ter média de 450 pontos nas provas sem zerar a redação, além de renda familiar mensal de até três salários-mínimos por pessoa (per capita). No momento da inscrição, os candidatos devem escolher até três opções de curso/turno/local de oferta do financiamento. As opções podem ser alteradas durante o prazo de inscrições.

Agência Brasil

Por João Mário Costa – Comunicação EAJ

As novas rotinas de trabalho têm sido um grande desafio para muitas pessoas. Apesar de realizar as atividades profissionais de casa, o “home office” traz muitas implicações na vida de quem foi pego de surpresa e teve que se adaptar a essa nova formulação.

Pensando na saúde física e mental dos servidores, a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN) iniciou o projeto intitulado “Conversa com”, uma ação da direção da EAJ, que conta com a participação de profissionais de diversas áreas para tratar de assuntos ligados à saúde. Os encontros acontecem através de plataforma virtual.

O diretor adjunto da Unidade, o Professor Márcio Dias, conta que a ideia surgiu a partir de demandas trazidas pelos próprios professores, que tiveram que se adaptar às novas ferramentas para realização do trabalho remoto. “Nós percebemos que precisávamos nos reunir para tratar sobre saúde. Nossas reuniões, até então, estavam ligadas à parte técnica, ao aprender novas práticas, novas tecnologias e as novas formas de ensinar para estar mais preparados nesse novo momento, porém não estávamos nos preparando do ponto de vista da saúde, da qualidade de vida. Então a ideia é justamente estar preparado em ambos aspectos”, disse.

O professor afirma que a participação dos profissionais tem sido bastante significativa e proveitosa, e diz que a ideia do “Conversa com” é criar novos hábitos e técnicas para melhoria da saúde desses servidores.

O projeto já realizou dois encontros virtuais. Um foi realizado com a médica da EAJ, Juliana Marinho, para discutir as doenças do coração que estão ligadas a esse período de pandemia. O outro encontro ficou por conta da psicóloga Clariana Morais, também servidora da escola, que tratou dos problemas psicológicos que podem surgir nesse período.

“Na ocasião, abordamos o tema “Síndrome de Burnout entre profissionais de educação em tempos de pandemia”. Atualmente, esse tema tem sido objeto de maior problematização entre profissionais de saúde e de educação em virtude do cenário de pandemia, em que o home office se faz uma necessidade, colocando como desafio a resolução de demandas do trabalho e a administração de atividades domésticas, acrescidos das incertezas provocadas pela COVID-19”, lembra Clariana.

A psicóloga relata também que durante as reuniões muitos questionamentos foram feitos e houve ainda espaço para o apoio coletivo sobre as angústias compartilhadas e contribuições para a elaboração de demandas de saúde mental.

O próximo encontro será realizado pela professora Selma Bruno, do Departamento de Fisioterapia da UFRN, que abordará as questões posturais nessas novas formas de trabalho.


Inscrições foram abertas hoje (21/07) e seguem até a sexta-feira (24/07)

O Governo Federal abre a partir de hoje (21/07) as inscrições para o Programa de Financiamento Estudantil (FIES) do segundo semestre de 2020. No Rio Grande do Norte, 346 vagas serão oferecidas pela UnP, integrante da rede Laureate, distribuídas em diversos cursos e turnos.

Para se inscrever, o candidato deve acessar o endereço fies.mec.gov.br e preencher todos os dados até a próxima sexta-feira (24/07). Desta vez, antes de preencher os dados do pedido de financiamento, é preciso também estar cadastrado no sistema GOV.BR. Para saber como proceder, acesse o tutorial do Governo Federal AQUI. A previsão é de que o resultado da pré-seleção seja divulgado em 28 de julho.

Podem se candidatar às vagas os estudantes que tenham renda familiar mensal bruta, por pessoa, de três salários mínimos (para modalidade com juro zero); de três a cinco salários mínimos (para o caso do P-FIES); e tenham participado de alguma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, obtido nota mínima de 450 pontos na média das provas e nota na redação superior a zero.

A UnP conta com ofertas nos Campi Natal (254 vagas) e Mossoró (92). As oportunidades são para cursos de Graduação nas áreas de Saúde e Bem-Estar; Ciências Exatas e Tecnológicas; e Ciências Sociais Aplicadas, Educação, Artes e Humanidades.

Mais informações sobre os cursos podem ser consultadas no site www.unp.br ou através do telefone (84) 4020-7890.

Com a prorrogação da suspensão das aulas presenciais em todos os níveis, do fundamental ao superior, está sendo exigido dos professores conhecimentos para o ensino remoto. Pensando nisso, o diretor da UERN Natal, Prof. Dr. Chico Dantas, elaborou e vai ministrar o curso “Aplicativos Google para Educação”, gratuito, on line e aberto a docentes da Universidade do Estado e professores das redes de estadual do RN e municipal de Natal.

O objetivo é apresentar e/ou aperfeiçoar o uso de aplicativos Google no ensino remoto e no apoio às demais atividades inerentes ao dia-a-dia do professor.

Chico, que integra o Departamento de Computação da UERN Natal, inicialmente pensou em ofertar o conhecimento aos colegas docentes da instituição, mas como as vagas são ilimitadas, entendeu que poderia ampliar o público e prestar esse serviço à Educação do RN e de Natal.

“A metodologia foi pensada para desenvolver atividades em tempo real. As aulas serão transmitidas pelo Youtube, e estudantes de Ciência da Computação atuarão como monitores, tirando dúvidas no chat, enquanto exponho o conteúdo”, conta, explicando que o objetivo é deixar os participantes realmente aptos ao uso das ferramentas e acrescentando que deixará em aberto a possibilidade de outras turmas, caso prefeituras dos demais municípios do RN se interessem em solicitar o mesmo treinamento para os professores.

Gerenciamento de atividades, criação de documentos de forma colaborativa, compartilhamento de arquivos, desenvolvimento e gerência de salas de aulas virtuais estão no conteúdo do curso, que será ministrado em cinco módulos pelo canal YouTube/UERN Natal, semanalmente, sempre às segundas-feiras, das 14h às 17h, a partir de 04 de agosto.

Os conteúdos serão repassados de forma expositiva e prática, para a compreensão das funcionalidades dos aplicativos Google para educação: e-mail, chat, videoconferência, agenda, keep, tarefas, documentos, planilhas, apresentações, drive, classroom, vault e formulários.

O número de vagas é ilimitado, mas, para ter acesso às aulas, será necessário possuir uma conta de e-mail Google; comprovar ser professor da UERN ou das redes de ensino estadual do RN ou municipal de Natal, e se inscrever, através do link http://linktr.ee/chicodantas (o mesmo link pode ser encontrado na bio do perfil @uern.natal.oficial no Instagram).

Os certificados de participação serão emitidos em formato digital, pela Escola de Extensão da UERN (EdUCA).