COVID-19: Líderes da Assembleia Legislativa relatam falta de assistência à saúde


Crédito da Foto: Eduardo Maia

Os líderes de partidos e blocos partidários da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em sessão ordinária por videoconferência realizada na manhã desta quinta-feira (30), debateram sobre as medidas para conter a disseminação do novo Coronavírus e ampliação da assistência médica nas regiões mais distantes da capital do Estado.

O deputado Getúlio Rego (DEM) demonstrou p preocupação com os municípios da região Oeste e pediu atenção por parte do Executivo. “Peço que atendam as sugestões que estamos fazendo desde o dia 4 de abril. Vamos cobrar diariamente para que o Estado consiga assistir à população que pode sofrer muito pela baixa capacidade de atendimento em função do baixo número de respiradores na região oeste, por exemplo”, disse.

Ainda no horário das lideranças, o deputado Dr. Bernardo (Avante) apresentou requerimento com objetivo de manter os profissionais médicos atuando no RN. “Solicito o pagamento das cooperativas médicas dos servidores do Estado na área de saúde sob pena de acontecer o que está acontecendo com os médicos de Mossoró, que estão indo para o Ceará que paga em dia e o plantão chega a ser o dobro”, disse.

Allyson Bezerra (SDD) criticou a administração de Mossoró. “Vizinha do Ceará e epicentro da pandemia na região Nordeste”. Finalizando o horário das lideranças, o deputado Souza (PSB) pediu que o governo do Estado analise a possibilidade de flexibilização do funcionamento das autoescolas. “O Conselho Nacional de Trânsito permitiu que as autoescolas possam iniciar as aulas teóricas de forma remota. Aqui no Estado, o Detran pode estabelecer portaria para regulamentar isso”, destacou.

PISO – Os deputados Francisco do PT, Tomba Farias (PSDB), Getúlio Rêgo (DEM) e Alysson Bezerra (SDD) também debateram sobre a implantação do piso nacional do magistério, atrasado desde janeiro deste ano, na rede estadual e em alguns municípios do Estado.

O deputado Francisco do PT falou sobre o calendário sobre a implantação do piso salarial dos professores em Currais Novos e defendeu o piso em Natal. “O passivo de Currais Novos se deve a gestões anteriores que não cumpriram o piso. Foi negociado o parcelamento em duas vezes. Mas vamos lutar pelo piso no Estado do RN. Aqui em Natal também, onde o prefeito não implementou nem apresentou nenhuma proposta. Vamos ajudar nesse processo de sensibilização para que os gestores paguem o piso dos professores”, disse.

Tomba Farias criticou a demora do governo do Estado em implementar o piso e disse que essa postura vai de encontro a tudo que a governadora Fátima Bezerra (PT) sempre defendeu. O deputado Getúlio Rego (DEM) fez análise semelhante. “É um entendimento que colide com a trajetória da Fátima sindicalistas, deputada e senadora e de lutas passadas”, destacou.

Allyson Bezerra (SDD) citou a cidade de Jucurutu, eleita, segundo dados apresentados por ele, o quarto município melhor avaliado com índices de governança. “Isso inclui educação e transparência, por exemplo. Lá, o prefeito vem cumprindo o dever com os professores do município e o piso está sendo pago em dia”, citou.

Compartilhar