Paciente recebe ameaças após hipótese de coronavírus: “estou com medo”

Foto: Reprodução

O jovem de 25 anos que deu entrada no Hospital Giselda Trigueiro, em Natal, está sofrendo ameaças desde que foi internado por suposta suspeita de coronavírus na última quarta-feira (12). “Já recebi muitas ligações e mensagens em grupos me ameaçando. Estou com medo e não sei para onde vou quando sair do hospital”, revelou Gustavo Pereira ao Agora RN nesta sexta-feira (14).

O jovem segue internado na enfermaria do hospital e a previsão é de que ele seja liberado ainda nesta sexta. Exames descartaram a possibilidade de coronavírus.

O caso

Na quarta (12), Gustavo deu entrada no Giselda Trigueiro com suposta suspeita de coronavírus. Segundo o jovem, em nenhum momento foi relatado aos médicos a suspeita da doença. Ele disse que, durante consulta de rotina com o seu hematologista em um hospital particular, relatou sintomas gripais e um sangramento nasal. De acordo com Gustavo, após esse relato, o médico perguntou se ele tinha tido contato com chineses.

O jovem declarou que sim e que, depois disso, o médico que o atendeu “deduziu” se tratar de um caso suspeito de coronavírus e o encaminhou para o Giselda Trigueiro.

Em entrevista coletiva nesta sexta (14), representantes da Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) confirmaram que o jovem, que tem leucemia mieloide crônica, foi ao Giselda Trigueiro após supostamente ter recebido encaminhamento de um hematologista. Ele relatava sintomas gripais e disse ter tido contato com chineses em janeiro na Praia de Pipa, em Tibau do Sul.

De acordo com o infectologista André Prudente, diretor-geral do Giselda Trigueiro, o jovem – que não teve a identidade revelada oficialmente pela Sesap – teve apenas um agravo respiratório. O médico teme, contudo, que o jovem sofra agressões em sua cidade, Baía Formosa, no litoral sul potiguar, em função da repercussão do caso.

Investigação

De acordo com o secretário de Saúde, Cipriano Maia, o caso será encaminhado para análise da Polícia Civil, para possível abertura de investigação. A Sesap vai pedir que seja apurada eventual falsa comunicação no atendimento médico, já que são frágeis as evidências de que realmente o jovem tenha encontrado chineses.

Agora RN

Compartilhar