Projeto de Extensão da Escola Agrícola da UFRN realiza implementação de Unidade Técnica Demonstrativa de produção de açaí


Coordenado pelos docentes Sérgio Marques Júnior e Wiara de Assis Gomes, com colaboração da professora Cláudia Souza Macedo, o projeto de extensão “Implantação de uma Unidade Técnica Demonstrativa (UTD) de Produção de Açaí (Euterpe oleracea Mart.) para Fortalecimento da Agricultura Familiar Potiguar”, da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN), tem como objetivo implantar da UTD visando o fortalecimento da agricultura familiar no Rio Grande do Norte.

A idealização do projeto veio a partir da orientação estratégica da EAJ-UFRN, que busca o fortalecimento da agricultura familiar potiguar a partir da implantação de processos produtivos agrícolas inovadores e sustentáveis, capazes de auxiliar no aumento da produtividade agrícola e, consequentemente, na melhoria da qualidade de vida no meio rural. A concepção básica é a de que a Unidade Técnica Demonstrativa seja implantada em um espaço físico para promover visitas, reuniões de produtores e realizar demonstrações de práticas de produção de açaí, visando a divulgação de tecnologias desenvolvidas na Escola.

Segundo o professor Sérgio, o projeto possui uma divisão de etapas e algumas podem ser realizadas nesse período de quarentena. “A implementação do projeto é dividida em seis etapas, das quais cinco são passíveis de execução neste período de isolamento social: (1) Instalação física da unidade, em que os discentes envolvidos com o projeto auxiliam na delimitação da área de produção da cultura; (2) Definição da estratégia de implantação física da UTD; (3) Procedimentos de implantação do sistema produtivo, onde os discentes elaboraram a revisão bibliográfica sobre a produção da cultura do açaí, baseada em publicações científicas em periódicos, livros e anais de congressos, assim como os procedimentos de preparo de solo necessários para o plantio; (4) Procedimentos de plantio da cultura, onde os discentes são responsáveis pelas atividades de coleta e manejo da germinação de sementes de açaí, plantio e condução das mudas em viveiros, assim como o plantio da cultura no campo e (5) Procedimentos de tratos culturais, envolvendo atividades de adubação e controle fitossanitário no local de plantio”, explica. A etapa de número 6 consiste nos procedimentos de colheita e pós colheita.

Acerca da importância do projeto, o coordenador fala que, a partir do ponto de vista institucional, ele tem impacto na formação dos discentes promovendo o fortalecimento no processo de aprendizagem. “Do ponto de vista institucional, entende-se que a implantação de Unidades Técnicas Demonstrativas de produção têm um impacto significativo na formação do profissional de ciências agrárias, especialmente os alunos dos cursos técnicos e de graduação da EAJ, alvo principal deste projeto, configurando-se em um importante mecanismo para fortalecimento do processo ensino-aprendizagem dos alunos desta unidade acadêmica. Para os cursos de Agronomia e Engenharia Florestal da UFRN, entre os benefícios oferecidos aos discentes e docentes envolvidos com o projeto, podemos citar o acompanhamento de um processo consistente de extensão rural com produtores rurais e o desenvolvimento de habilidades e treinamento em ferramentas necessárias para uma efetiva comunicação rural, assim como em práticas de produção e extensão rural”, afirma.

O projeto irá contribuir com a agricultura familiar do Estado do Rio Grande do Norte através da divulgação de sistemas produtivos inovadores e sustentáveis, capazes de gerar melhoria da qualidade de vida do produtor rural. “Para o momento atual pela qual passa o país, entende-se que a perda de rendimentos econômicos, causada pela pandemia gerada pela COVID-19, demonstra a necessidade da implantação de estratégias capazes de minimizar os impactos socioeconômicos causados pelo evento, principalmente na renda do trabalhador da agricultura familiar, um setor de grande vulnerabilidade socioeconômica do país”, explica Sérgio. “Entende-se que esse esforço acadêmico contribui com a missão institucional da UFRN que é, entre outras, a de colocar a extensão ao alcance das comunidades rurais, oferecendo alternativas de melhoria da qualidade de vida para esta população, principalmente nesta situação de crise”, complementa.

A agricultura familiar tem um importante papel na economia brasileira. Em termos nacionais e baseando-se no Censo Agropecuário de 2017, estima-se que a atividade seja praticada em torno de 77% dos estabelecimentos rurais, ocupando uma área de 80,89 milhões de hectares, ou seja, 23% da área total da agropecuária no Brasil, além de ocupar, aproximadamente, 10,1 milhões de pessoas, 67% do total de trabalhadores nos estabelecimentos agropecuários, o que gera impacto significativo na economia do país. “Nesta situação, sistemas produtivos alternativos e sustentáveis podem representar um significativo aporte econômico-financeiro nas economias locais, principalmente no Nordeste do Brasil. No caso específico, o açaí é considerado um alimento de potencial mercadológico, muito apreciado por frequentadores de academias e desportistas, já que as propriedades estimulantes presentes no fruto são semelhantes às encontradas em bebidas energéticas”, comenta o coordenador do projeto. Ainda, segundo ele, o açaizeiro representa um importante fator econômico para a região amazônica do país, gerando renda e diminuindo a pobreza rural. Mas informações à respeito das potencialidades de produção e comercialização deste produto na região Nordeste são escassas, o que limita a expansão dos cultivos comerciais e, consequentemente, o desenvolvimento de uma cadeia produtiva agroindustrial para o fruto. “Neste contexto, surge a necessidade da implantação de mecanismos capazes de auxiliar na demonstração de tecnologias agrícolas alternativas para o agricultor familiar, fundamento base do processo de extensão rural”, finaliza.

A partir do projeto, acontece a geração e a divulgação das tecnologias desenvolvidas da EAJ-UFRN, que além de promoverem mecanismos eficazes de aprendizagem para o aluno, também contribuem para o conhecimento técnico e gerencial pela população rural, possibilitando a inclusão social dessa população, além dos objetivos da Instituição.

É esperado, através do projeto, o desenvolvimento de tecnologias de produção de açaí, adaptadas à região local, que sejam capazes de oferecer informações para o produtor rural e que construam uma melhor tomada de decisão na cadeia produtiva agroindustrial do RN, principalmente na agricultura familiar. Espera-se também que este projeto contribua com a minimização de lacunas acadêmicas existentes nesta área de investigação.

Comunicação EAJ

Compartilhar