Tecnologia da UFRN é alternativa para o diagnóstico do câncer e de doenças inflamatórias crônicas

Pesquisador tem trajetória ascendente na academia – Foto: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

Um grupo de seis cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu, nesta quarta-feira, 8, do Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI), o patenteamento de uma nova tecnologia inovadora que promete ser mais uma alternativa para o diagnóstico do câncer e de doenças inflamatórias crônicas. O dispositivo que recebeu o registro consiste em utilizar anticorpos altamente específicos direcionados para alguns elementos celulares, chamados de “marcadores”. Essas substâncias são então combinadas com uma molécula fluorescente, situação que permite a visualização das células cancerígenas em um microscópio de fluorescência, por exemplo.

“Esse marcador pode ser uma proteína pró-inflamatória, uma proteína de superfície celular que permita identificar determinada célula, e pode ser alguma proteína específica produzida por esta célula em contextos diversos. São inúmeras as possibilidades. No estudo do câncer, por exemplo, a técnica nos permite identificar quais células estão envolvidas tanto no combate, como também na progressão do tumor, identificar a origem de tumores metastizados, bem como a forma com que essas células atuam, além de nos permitir visualizar algumas das mudanças que as mutações do câncer geram nas células”, pontua Vinícius Barreto Garcia.

Aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPgCSa), ele idealizou, executou os experimentos e escreveu o pedido de patente. No estudo, os pesquisadores usam a técnica da imunofluorescência, ferramenta valiosa para se compreender como as nossas células e órgãos se comportam durante determinada doença e como ambos respondem a tratamentos. O uso do termo valioso não é à toa: como técnica de ponta, a imunofluorescência depende de reagentes caros – especificamente nesse caso, os anticorpos associados ao fluoróforo, partícula fluorescente.

UFRN

Confira na íntegra AQUI

Spread the love