“Dia Z”: Escola Agrícola de Jundiaí comemora dia do zootecnista e 40 anos da criação do curso de Zootecnia da UFRN


Por João Mário Costa – Comunicação EAJ-UFRN


Criado em 1980, por iniciativa do então reitor Dr. Diógenes da Cunha Lima, o curso de Zootecnia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) iniciou suas atividades no Campus de Nova Cruz-RN no primeiro semestre do ano de 1981.

O curso enfrentou diversas dificuldades e falta de estrutura na época. No início do desenvolvimento das atividades, as aulas eram ministradas pelos professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no Campus de Areia, onde já funcionava um curso de Zootecnia. As aulas práticas e de campo, por sua vez, aconteciam nas estações experimentais da EMPARN, em São Gonçalo do Amarante e Jandaíra, e também em outras fazendas modelos, dentre elas, a Fazenda Califórnia, também em São Gonçalo.

No ano de 1985, o curso foi transferido para Natal e tinha como base a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ-UFRN), em Macaíba. A mudança para o Campus Central da UFRN se deu tendo em vista o Departamento de Agropecuária, no Centro de Tecnologia, que contava com um quadro de professores que viria a dar suporte para o curso, além do funcionamento da EAJ-UFRN como base para as atividades práticas. Em 2007, o curso de zootecnia foi transferido definitivamente para a Unidade Acadêmica Especializada em Ciências Agrárias, que está inserida na Escola Agrícola de Jundiaí. Apesar disso, os alunos ainda passavam três semestres cursando disciplinas na capital potiguar, e só os demais semestres eram cursados em Macaíba. A mudança nesse inconveniente se deu no ano passado, quando as disciplinas passaram a ser ministradas integralmente na EAJ-UFRN, o que contribuiu para a diminuição da evasão.

Desde a sua criação, o curso já formou 524 zootecnistas, que atuam nos mais diferentes segmentos da área. Segundo o professor Valdi de Lima Júnior, coordenador do curso, o profissional zootecnista tem uma responsabilidade muito grande na garantia da alimentação humana. “Nós alimentamos o mundo. Somos responsável pela produção de proteína de origem animal. Para isso, nutrimos e realizamos de forma adequada o manejo desses animais. Tudo isso garantindo o bem estar animal e a sustentabilidade”, disse.

O professor lembra ainda que nesse período, em que o mundo enfrenta uma pandemia, o papel do zootecnista acaba ganhando uma maior visibilidade. Se antes esses profissionais não tinham o reconhecimento necessário, hoje o mundo precisa entender a importância de um zootecnista para a alimentação humana, já que este também é responsável por garantir a segurança e a produção desses alimentos.

O curso de Zootecnia da UFRN conta com uma infraestrutura excelente para o desenvolvimento de práticas e pesquisas de relevância nacional e internacional. 90% do corpo docente é formado por doutores. A instituição conta com setores produtivos como a bovinocultura, suinocultura, avicultura, caprinocultura, cunicultura e piscicultura, que contribuem ainda mais para uma formação de excelência dos estudantes.

Aproveitando a comemoração dos 40 anos de criação do curso e o dia do zootecnista, celebrado na última quarta-feira (13), a coordenação do curso, com apoio Direção Acadêmica da Unidade, da Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ), do CA de Zootecnia, do grupo PET Zootecnia e da Rusticus Júnior, realizou a segunda edição do “Dia Z”, com palestras sobre a atuação e os desafios do zootecnista em tempos de pandemia.

O “Dia Z” foi criado em alusão ao dia do zootecnista, que é regulamentado pela Lei 13.596 de 2018. Com esse dia, a coordenação busca estimular os estudantes com palestras de ex-alunos do curso, mostrando o sucesso profissional de muitos deles e estimulando a busca pelo conhecimento.

Na quarta, a palestra foi ministrada pelo Prof. Dr. Marinaldo Ribeiro, zootecnista formado pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e atual presidente das Sociedade Brasileira de Zootecnia (SBZ) e da Associação Brasileira de Zootecnia (ABZ), além dos zootecnistas formados pela UFRN, Tawfic Hasbun, diretor da Associação Norte Rio Grandense de Criadores (ANORC), e Edgar Manso, MBA em Gestão Estratégica de Pessoas.

Nesta quinta-feira (14), o palestrante convidado foi o zootecnista Bruno Lucchi, Superintendente Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

As palestras foram realizadas de forma virtual, através das redes sociais da Escola Agrícola de Jundiaí.

Compartilhar