Gugu Liberato tinha 60 anos Edu Moraes/ Record TV

O apresentador Gugu Liberato, de 60 anos, morreu nesta sexta-feira (22), em Orlando, nos Estados Unidos. O comunicador da Record TV estava internado desde quarta no hospital Orlando Health, quando sofreu uma queda em casa e bateu a cabeça.

A informação foi confirmada em nota pela assessoria de imprensa de Gugu.

“Este é um momento que jamais imaginamos viver. Com profunda tristeza, familiares comunicam o falecimento do pai, irmão, filho, amigo, empresário, jornalista e apresentador Antônio Augusto Moraes Liberato (Gugu Liberato), aos 60 anos, em Orlando, Florida, Estados Unidos”, diz o texto.

O apresentador caiu de uma altura de quatro metros. Ele foi levado para o hospital inconsciente e teve morte cerebral. A pedido da família, o neurocirurgião de Gugu viajou até os Estados Unidos para examiná-lo.

Do R7

Saiba mais AQUI

Foto: Julianne Barreto/Inter TV Cabugi

G1 RN – Um homem morreu e outros dois ficaram feridos após tiroteio com a Polícia Militar na tarde desta sexta-feira (22) em Parnamirim, na região metropolitana de Natal. De acordo com a corporação, criminosos haviam acabado de roubar uma moto no bairro Liberdade e se depararam com equipes da PM perto da avenida Olavo Montenegro, na Coophab. Houve um tiroteio.

Segundo a Polícia Militar, eram quatro criminosos, que estavam em duas motos – pelo menos uma delas roubada. Os homens fizeram um assalto na região do bairro Liberdade e tomaram uma moto.

Após o crime, eles fugiram no sentido ao bairro Coophab, mas se depararam com uma equipe da Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (Rocam) e começaram a atirar.

Ainda de acordo com a PM, os militares revidaram, atingindo três suspeitos. O quarto suspeito fugiu. Os três baleados foram socorridos ao Pronto Socorro Clóvis Sarinho, porém um deles não resistiu e morreu.

No final da tarde desta sexta (22), um dos suspeitos baleados passava por cirurgia. Após atendimento, o outro foi levado para a Delegacia de Plantão da Zona Sul.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia determinou hoje (22) que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) mande soltar todas as pessoas que foram presas por terem condenação confirmada pela segunda instância da Justiça Federal do sul do país. O TRF4 é o tribunal responsável pelas execuções das penas dos condenados na Operação Lava Jato no Paraná.

De acordo com a decisão da ministra, o TRF deve cumprir a decisão da Corte, tomada no dia 7 de novembro, na sessão que anulou o entendimento anterior, que autorizava a prisão em segunda instância. Cármen Lúcia votou a favor da prisão antecipada, mas entendeu que a decisão do plenário deve prevalecer.

“Concedo parcialmente a ordem apenas para determinar ao Tribunal Regional Federal da Quarta Região analise, imediatamente, todas as prisões decretadas por esse Tribunal com base na sua Súmula n. 122 e a coerência delas com o novo entendimento deste Supremo Tribunal, colocando-se em liberdade réu cuja prisão tiver sido decretada pela aplicação da jurisprudência, então prevalecente e agora superada”, decidiu a ministra.

Na decisão, a ministra também afirmou que os condenados deverão ser soltos somente se estiverem presos exclusivamente com base no entendimento superado sobre a segunda instância. Se a prisão foi determinada por outro motivo, a soltura não ocorrerá.

Com base no entendimento anterior do STF, que permitia a prisão, o TRF editou uma norma interna, a Súmula 122, autorizando a decretação da prisões pelos juízes do Paraná, Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Da Agência Brasil


O cenário de abandono escolar é preocupante em todo Brasil e não é diferente no Rio Grande do Norte. De acordo com a Secretária de Estado da Educação e da Cultura (SEEC), no Ensino Médio o índice de evasão escolar chegou aos 11,6% no ano passado. Para enfrentar o problema, a Secretaria decidiu usar a inteligência artificial para revelar que estudantes possuem risco de evasão antes que ela ocorra.

A ideia é que as escolas do RN consigam prever e traçar estratégias de combate ao problema, como explica a coordenadora de Gestão de Informação e Tecnologia na SEEC, professora Ana Paula Flor. “Por meio da tecnologia, nós conseguimos fazer uma prevenção para evitar essa evasão. O SIGEduc traz essa funcionalidade em que se utiliza a predição e mostra os estudantes que têm alto risco de evadir durante o ano letivo”.

Ainda segundo a coordenadora, os esforços feitos pelos órgãos de ensino no país sempre são voltados para agir após o momento da evasão. “Entendemos que o abandono escolar não é um problema exclusivo do Rio Grande do Norte, isso está encaixado no cenário nacional. A Unesco vem desenvolvendo ano a ano um trabalho de busca ativa, na qual vamos atrás do estudante que está fora da escola há um ou dois anos. É um trabalho importante que está remediando uma situação das redes de ensino, porém não se antecipa ao problema”, conta Ana Paula.

Ela revela ainda que o Rio Grande do Norte está se adiantando ao fazer um trabalho de prevenção, no qual se utiliza a Inteligência Artificial (IA). “Nós disponibilizamos para gestores de escolas e regionais, além dos professores, todos aqueles alunos que têm alto início de evadir, no início do ano letivo, para que os educadores possam atuar e evitar que eles abandonem a escola”, complementa. Ler mais…

Foi publicado, hoje (22), no Diário Oficial da União o decreto relativo ao Relatório Extemporâneo de Avaliação de Receitas e Despesas de Novembro de 2019, com liberação de todas as despesas discricionárias (não obrigatórias) contingenciadas (bloqueadas) em meses anteriores.

Na semana passada, o governo anunciou o descontingenciamento (desbloqueio) de R$ 13,976 bilhões do Orçamento de 2019.

O órgão que teve a maior liberação, de R$ 3, 473 bilhões, foi o Ministério da Defesa, seguido pela Educação, R$ 2,695 bilhões, e Desenvolvimento Regional, R$ 1,905 bilhão.

A liberação dos recursos foi possível porque o governo obteve receitas extraordinárias com a venda de ativos de estatais, que rendeu Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido sobre o ganho de capital das empresas, e pelos leilões do excedente da cessão onerosa e da partilha do pré-sal.

De acordo com o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas referente ao 5º bimestre de 2019, haveria a possibilidade de liberar gastos em mais R$ 7,2 bilhões, e mesmo assim cumprir a meta de déficit nas contas públicas de R$ 139 bilhões. Entretanto, para isso, seriam necessários créditos adicionais.

Da Agência Brasil

Ainda em comemoração aos 82 anos do Cruzeiro de Macaíba, será realizado nesse sábado, dia 23 de novembro, às 9h, jogo comemorativo, só entre atletas que já fizeram parte da história do clube. Na ocasião, será apresentada a camisa dos 82 anos. Todo o evento é uma organização do master do Cruzeiro de Macaíba.

Os vereadores que foram a sessão da Câmara Municipal de Rio do Fogo, nesta sexta-feira (22) foram surpreendidos com um protesto hoje. O foco é a sujeira e esgotos nas ruas da cidade-praia, reclamação geral de quem visita e as muriçocas e moscas para quem reside.

O prefeito Laerte Paiva está há oito anos no cargo e seu irmão Túlio Paiva também foi mais oito anos. A família Paiva está abandonando a cidade e tudo sujo. A reclamação é grande.

Bosque Brasil poderá ser uma das próximas comunidades contempladas pela “Caravana das Obras”, maior operação de pavimentação já realizada em toda a história de Macaíba, alcançando atualmente mais de 200 ruas em áreas urbanas e rurais. Isso porque a Prefeitura de Macaíba já discute e planeja essa grande obra junto às lideranças comunitárias da região.

Nesta quinta-feira (21/11), por exemplo, o prefeito Fernando Cunha, acompanhado pelo vice-prefeito, Auri Simplício; chefe de Gabinete, Juedson Costa; e os secretários José Wilson (Planejamento), Nilton Fontes (Infraestrutura) e Joacy Carlos (Projetos Especiais) receberam, em audiência, o presidente da Associação de Moradores do Bosque Brasil, pastor Leonardo Rodrigues, acompanhado pelos membros de sua diretoria.

Na oportunidade, o gestor municipal ouviu atentamente o pastor Leonardo, que solicitou uma atenção especial com relação à iluminação e à limpeza pública em todas as comunidades do bairro Bela Vista, onde está situado o Bosque Brasil.

Ao ser questionado sobre a obra de pavimentação prevista para o final deste ano em Bosque Brasil, Loteamento Brasil e Porto Brasil, o prefeito Fernando Cunha informou que, em função de alguns entraves burocráticos junto à Caixa Econômica e ao Tesouro Nacional, possivelmente, as obras tenham seu início prorrogado para janeiro ou fevereiro de 2020. Além disso, a Prefeitura está construindo uma moderna praça em Bosque Brasil e poderá inaugurá-la nos próximos meses.

Assecom-PMM

Com as duas patentes concedidas nesta semana, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) solidificou o protagonismo da UFRN na área de inovação, nesse quesito, entre instituições de ensino nas regiões Norte e Nordeste. Obtidos a partir do banco de dados do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), os números indicam o protagonismo das universidades federais, com as instituições do Rio Grande do Norte, Sergipe, Pará e Pernambuco à frente, com 20, 11, oito e oito concessões, respectivamente.

“É importante ressaltar a diferença entre o pedido e a concessão. O ato de pedido inicial é relativamente simples, pois a análise em relação aos critérios de patenteabilidade é realizado após o ato. A concessão em si é o ato que credencia a tecnologia, juridicamente e academicamente”, explicou o diretor da Agência de Inovação da UFRN, Daniel de Lima Pontes. Comparada com Instituições Federais de Ensino Superior de outras regiões, o conjunto de duas dezenas de concessões mostram a UFRN à frente da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e próxima à Universidade de Brasília, esta com 23 patentes concedidas. Os números desta semana entrelaçam-se a outros de 2019, que classificaram a UFRN como a universidade mais empreendedora das regiões Norte e Nordeste, de acordo com a Confederação das Empresas Juniores Brasileiras, e como a 13º no país quanto ao número de patentes pedidas, de acordo com o Ranking Universitário da Folha (RUF).

O que é uma patente?

Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores, autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação. Assim, é o primeiro passo para garantir direitos de comercialização exclusiva, por um determinado período, de uma nova invenção com aplicação industrial. Na UFRN, a Agência de Inovação (AGIR) é responsável pela orientação aos inventores quanto aos procedimentos e requisitos de patenteabilidade dos resultados das pesquisas realizadas, bem como sobre aspectos da própria gestão da propriedade intelectual. Fruto desse trabalho, a UFRN alcançou, em 2019, números proeminentes para a realidade do Nordeste. São 52 pedidos de registro de marca, 177 programas de computador registrados, 238 pedidos de patente e agora 20 cartas-patente concedidas.

Assessoria de Comunicação da Agência de Inovação da UFRN

A Polícia Federal (PF) investiga o possível recebimento de propina por um ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em troca de decisões favoráveis a empresas de energia, quando ele atuava na agência reguladora. Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Brasília. A Operação Elétron conta com apoio da Controladoria-Geral da União (CGU).

A investigação começou em 2016 a partir de suspeitas da CGU de irregularidade em decisões tomadas por diretores da Aneel, entre 2010 e 2013, contrariando pareceres técnicos da própria agência, em benefício de empresas do ramo de energia. De acordo com a PF, o prejuízo aos cofres públicos, a partir dessas decisões, ultrapassou R$ 12 milhões.

Além dos relatórios controvertidos, a investigação apontou que, sete meses depois de deixar a Aneel, o ex-diretor da agência foi nomeado diretor de treze empresas de energia e abriu uma empresa de consultoria na área. A partir daí, ele e sua nova firma passaram a receber em suas contas bancárias diversas transferências e depósitos de empresas do setor elétrico, que teriam sido beneficiadas por decisões da Aneel.

Ainda de acordo com a investigação, entre 2014 e 2015 houve um aumento de aproximadamente 300%, em relação aos anos de 2011 a 2013, nos valores das contas vinculadas ao ex-diretor e sua empresa. Parte dos depósitos também não consta na declaração de imposto de renda dos dois anos. Ler mais…

CONFIANTE

O Presidente da Câmara, Gerson Lima, se mantém confiante nos números e não tem dúvidas da escolha do seu nome, caso o critério seja realmente as pesquisas. Com relevantes serviços dentro do município, Gerson é realmente um nome forte para disputar o Palácio Auta de Souza.

MÉRITOS

Dentro do contexto atual, o presidente da Câmara tem méritos para ser um forte candidato na disputa pelo Palácio Auta de Souza. Tem uma forte base política que sustenta seu nome, além, de contar com a simpatia e o respeito de todo o Alto Comando.

ANIMADO

O delegado Normando Feitosa está animado com os números da pesquisa de consumo interno. Com os resultados que vem apresentando, Normando tem deixado claro para seus apoiadores que desta vez vai até o fim com seu projeto de pré-candidatura. “Sou pré-candidato a prefeito para perder ou para ganhar”, disse o delegado.

Do Blog Informativo Atitude

Confira na íntegra AQUI


Do Portal OP9 RN

Um homem matou a companheira e cometeu suicídio na zona rural do município de Santa Cruz, Região Trairi do RN, na manhã desta sexta-feira (22).

Maria Fernandes de Oliveira, 30 anos, foi encontrada morta com marcas na cabeça dentro da casa onde morava no Sítio Bom Sucesso.

O marido, identificado como Severino Bezerra da Silva, 37 anos, foi achado enforcado pendurado por uma corda. Os dois trabalhavam como agricultores

De acordo com testemunhas, o homem estava separado da esposa e tentando a reconciliação. Na quinta-feira (21) eles teriam reatado a relação.

A equipe da 4ª Companhia de Polícia Militar de Santa Cruz foi acionada e ficou resguardando o local do crime até a chegada do Instituto Técnico e Científico de Perícia (Itep-RN).


DELAÇÃO – Luiz Henrique Molição: pistas que podem revelar uma cadeia de comando (./.) – Divulgação

O estudante Luiz Henrique Molição ocupava uma posição secundária na quadrilha de hackers que invadiu os celulares e capturou mensagens trocadas pelos procuradores da Operação Lava-Jato. A tarefa dele era intermediar os contatos entre os criminosos e o jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil, que recebeu e divulgou em parceria com vários veículos de imprensa, inclusive VEJA, diálogos flagrantemente impróprios entre os integrantes da força-­tarefa de Curitiba. Preso há dois meses, Molição fechou na semana passada um acordo de delação premiada com a Polícia Federal. Em troca de benefícios, o estudante se comprometeu a revelar, entre outras coisas, o nome de mais três pessoas que teriam participado dos ataques virtuais, apresentar arquivos de conversas privadas de autoridades da República que estariam armazenadas em servidores fora do país e entregar o aparelho celular que usava para se comunicar com os comparsas e repassar as mensagens roubadas.

A Polícia Federal vê a delação de Molição como o primeiro passo para avançar sobre uma das principais linhas de investigação. Desde que eclodiu o escândalo, os agentes desconfiam que, na retaguarda dos hackers, existe uma cadeia de comando que teria planejado e financiado as invasões dos celulares das autoridades, alguém ou algum grupo que tinha interesse em fulminar a Operação Lava-­Jato e fragilizar seus protagonistas. Resumindo, suspeita-se que haja um chefe. Durante o inquérito, foram localizadas mensagens trocadas entre os hackers que faziam referência a um tal “professor”. Em sua proposta de delação, Molição contou que o “professor” seria o mentor intelectual e financiador das ações do grupo. O estudante teria ouvido essa revelação da boca de Walter Delgatti Neto, o hacker que foi preso em São Paulo e confessou ser o responsável pela invasão dos celulares dos procuradores da Lava-Jato e de dezenas de autoridades. De acordo com o relato do delator, Delgatti comentou mais de uma vez que recebia instruções do “professor” sobre o que devia e o que não devia ser repassado ao Intercept Brasil.

Até então, na versão contada à polícia pelos criminosos o “professor” seria o apelido de Thiago Eliezer Martins, outro hacker da quadrilha que também está preso. Molição disse que o “professor” pode ser outra pessoa. No caso de o tal personagem de fato existir, a PF acredita que poderá identificá-lo com base nas informações armazenadas no celular do estudante. O aparelho, que estava escondido na casa da mãe dele no interior de São Paulo e já vem sendo analisado pelos peritos do Instituto Nacional de Criminalística, foi usado pelos hackers para trocar mensagens dentro do grupo. Molição informou que se encontram guardados no celular todos os diálogos entre ele e Walter Delgatti e entre ele e Glenn Greenwald. O conteúdo dessas conversas forneceria pistas sobre a identidade do tal “professor”.

Em cinco meses de investigação, a Polícia Federal prendeu Walter Delgatti, o Vermelho, suposto líder do esquema, e outras quatro pessoas acusadas de tentar invadir os aplicativos de mensagens de mais de oitenta autoridades da República. Colega de classe de Delgatti no curso de direito da Universidade de Ribeirão Preto, Luiz Henrique Molição entrou no esquema por ser bem informado sobre política e, principalmente, fluente em inglês. Segundo ele, Delgatti precisava de alguém para negociar com o americano Glenn Greenwald as conversas roubadas da Lava-Jato. Em seu primeiro depoimento após a prisão, o estudante disse que o grupo pretendia “vender as informações”, mas que o jornalista “teria se recusado a efetuar qualquer tipo de pagamento em troca de conteúdo”. Ao quebrarem o sigilo bancário dos envolvidos, porém, os investigadores identificaram uma série de transações bancárias que reforçaram a suspeita de que alguém pode ter financiado a operação.

O material obtido pelos hackers tem potencial explosivo e, portanto, alto valor no mercado — e não só em relação à Lava-Jato. A polícia descobriu que os criminosos tentaram — e, em alguns casos, conseguiram — ter acesso a diversos diálogos de autoridades de todos os poderes. Na lista de vítimas dos invasores estão ministros do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça. No Poder Executivo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o chefe do Estado-­Maior do Exército e ex-interventor na segurança pública do Rio de Janeiro, general Braga Netto, também foram alvo de tentativas de invasão. No Congresso, a lista é extensa — do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre. Para provar que tinha acesso às contas de aplicativos de autoridades e tentar fazer dinheiro junto a eventuais interessados em pagar pelas informações, Delgatti enviava cópias de mensagens roubadas ou imagens dos celulares mostrando que as contas de determinadas pessoas haviam sido capturadas. Foi assim que, em maio deste ano, o hacker entrou em contato com a ex-deputada federal Manuela d’Ávila, do PCdoB, para oferecer as mensagens dos procuradores da Lava-Jato. O material, prometeu ele, resultaria na libertação do ex-presidente Lula. Delgatti também dizia ter acessado as contas de Eduardo e Carlos Bolsonaro, filhos do presidente. Manuela se interessou e promoveu a aproximação do criminoso com o jornalista. Nesse hiato entre o oferecimento e a entrega do material, Molição entrou em cena.

Por ser monoglota, Delgatti teria desistido de intermediar ele mesmo os contatos com Greenwald. Por isso, repassava a Molição, pelo celular agora em poder da PF, as orientações sobre o que devia ser negociado. Foi em algumas dessas conversas que o estudante teria ouvido o comparsa mencionar o “professor”, o que ele entendeu como uma referência a alguém que operava em escala hierárquica superior. A suspeita sobre a existência de um comando acima dos hackers presos já havia ganhado força quando se soube que, logo após as primeiras prisões, diversos advogados, alguns ligados a partidos políticos e outros a escritórios caros e famosos, se apresentaram para defender os criminosos. Tão logo Delgatti foi apanhado, Molição escreveu a Greenwald: “O menino foi preso”. Pouco tempo depois, ele recebeu um e-mail em uma conta que havia sido criada pelo grupo para burlar possíveis interceptações da polícia: “Você deve saber quem eu sou. Eu ajudava o garoto”. No fim da mensagem, havia a informação de que os advogados dariam “assistência a Walter (Delgatti)”. Molição não sabe quem foi o remetente. Cerca de um mês após a prisão de Delgatti, porém, ele também recebeu uma ligação de Brasília. Apavorado, não atendeu. Em seguida, chegou uma mensagem de WhatsApp de uma pessoa que se apresentava como advogado do Delgatti e que queria saber detalhes de um veículo do hacker preso. A família de Molição foi procurada no interior de São Paulo por supostos advogados que ofereciam seus serviços.

Da Veja

No Dia Internacional de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, lembrado em 19 de novembro, o Instituto Santos Dumont (ISD), em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), promoveu o Fórum sobre Violência Sexual na Infância e Adolescência, no Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (CEPS), em Macaíba/RN.

O evento reuniu em uma mesa-redonda profissionais das áreas da saúde, educação, direito e gestão de políticas públicas, além de representantes da sociedade civil, para dialogar sobre essa complexa realidade que atinge crianças e adolescentes. Uma das pessoas presentes foi a Vereadora Divaneide Basílio, presidente da Comissão de Direitos Humanos, Proteção das Mulheres, Idosos, Trabalho e Minorias da Câmara Municipal de Natal, que disponibilizou a casa legislativa da capital potiguar para contribuir com o debate e ações relacionadas ao tema.

Os participantes também puderam dialogar sobre habilidades, atitudes e conhecimentos necessários na abordagem dessa problemática na oficina “Competências comuns para a prática interprofissional no cuidado às vítimas de violência sexual”.

Apresentações artísticas também ajudaram a provocar no público reflexões sobre o tema: a Fundação Oikos, que atende crianças e adolescentes em vulnerabilidade social em Macaíba, apresentou uma adaptação teatral do conto “Chapeuzinho Vermelho”, que neste caso representava uma história de abuso sexual.

Já o Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), do município de Touros (RN), apresentou a performance “Sonhos de um palhaço, um olhar humanizado” e o poeta Edcarlos de Oliveira França, de 10 anos, declamou o poema de sua autoria “Um abuso sexual”.

Apresentação da Fundação Oikos, de Macaíba (RN), trouxe adaptação de Chapeuzinho Vermelho abordando o tema do evento. Foto: Dandarah Filgueira – Ascom ISD.

Números mostram situação preocupante

No Brasil, crianças e adolescentes são vítimas em mais de 76 mil denúncias recebidas pelo Disque 100, sendo 17.093 dos registros referentes à violência sexual, segundo informações divulgadas em maio de 2019 pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. De acordo com a base de dados do Disque 100, em 2018 o Rio Grande do Norte teve 313 denúncias de casos de abuso sexual e exploração sexual contra crianças e adolescentes. “Eu reitero que o tamanho e a magnitude desse problema requerem que cada um de nós seja partícipe dessa estratégia de enfrentamento”, destacou o Diretor-Geral do ISD e Professor da UFRN, Reginaldo Freitas Júnior em fala durante o evento.

No encerramento, ele ainda chamou a atenção para a importância do engajamento dos participantes em dar continuidade a esta discussão: “Ganhamos multiplicadores que são pessoas que saem daqui do evento capazes de exercer a cidadania também nesse aspecto”, afirmou.

Encerramento do evento após discussões em grupos de trabalho na oficina. Foto: Ariane Mondo – Ascom ISD

Serviço:

Em caso de denúncias de abuso ou violência sexual contra crianças e adolescentes disque 100. O serviço é gratuito, anônimo e funciona 24 horas por dia. Para mais informações acesse: https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/disque-100

Dandarah Filgueira – Estagiária de Jornalismo / Ascom – ISD