Juíza do RN morta no Pará fazia tratamento psiquiátrico e tomava remédios, mas tinha “vida normal”, revela sobrinha

Foto: Reprodução

A juíza Monica Andrade de Oliveira, de 47 anos, que atuava no interior do Rio Grande do Norte e foi encontrada pelo marido morta nesta terça-feira (17) em Belém (PA), fazia tratamento psiquiátrico e tomava remédios para controlar um transtorno mental.

A informação foi revelada nesta quarta-feira (18) por Monique Andrade, sobrinha da juíza, em entrevista coletiva à imprensa paraense. Ela não descreveu qual transtorno a juíza enfrentava e ressaltou que, apesar do tratamento, a magistrada levava uma “vida normal”.

De acordo com a sobrinha, imagens do circuito interno de câmeras do condomínio onde a juíza morreu provam que ela realmente se matou. As imagens mostram o momento em que Monica sai do apartamento carregando malas e se dirige à garagem, onde comete suicídio dentro de um carro. A morte ocorreu por volta das 23h38, diz a sobrinha.

Portal 98 FM

Saiba mais AQUI

Spread the love