No RN, favelas estão, em média, a 782 metros de unidades de saúde


As 100 favelas localizadas em municípios do Rio Grande do Norte estão situadas, em média, a 782 metros de unidades de saúde de atenção primária. Os dados foram divulgados hoje (19) pelo IBGE com base no levantamento “Aglomerados Subnormais 2019: classificação preliminar e informações de saúde para o enfrentamento à covid-19”.


Os aglomerados subnormais do RN, ou favelas, estão em Natal, Mossoró, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba, São José de Mipibu e Extremoz. Dos sete municípios, as comunidades de Extremoz são as mais distantes de unidades de saúde de atenção primária, 2.342 metros em média.


Nos demais municípios, as médias são: Macaíba, 2.028 metros; São Gonçalo do Amarante, 776 metros; Natal, 658 metros; Mossoró, 619 metros; Parnamirim, 615 metros; São José de Mipibu, 143 metros.

Suporte de internação


Quando se trata de estabelecimentos de saúde com suporte para internação e observação, as distâncias entre eles e as favelas são maiores: em Natal, a média é 1.235 metros; São Gonçalo do Amarante, 2.469 metros; Mossoró, 1.395 metros; Extremoz, 5.716; Macaíba, 4.481; Parnamirim, 2.466; e São José de Mipibu, 746 metros. A média de todas as favelas do RN é de 1.847 metros de distância desses estabelecimentos.


Essas informações dariam suporte ao Censo Demográfico, que foi adiado para 2021 em função da pandemia. Como mais uma das ações do IBGE para combater à covid-19, o Instituto cruzou os dados dos aglomerados subnormais com os do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde.

Mapas interativos


O cruzamento é importante porque essas áreas estão mais vulneráveis à doença em razão da alta concentração de domicílios e pessoas. Os dados também podem ser facilmente visualizados nos mapas interativos do site covid19.ibge.gov.br.

Aglomerados subnormais


Para o IBGE, os aglomerados subnormais são formas de ocupação irregular de terrenos de propriedade alheia (públicos ou privados) para habitação em áreas urbanas e, em geral, com padrão urbanístico irregular, carência de serviços públicos essenciais e localização em áreas de restrição à ocupação (exemplo: rodovias, ferrovias, áreas ambientais ou áreas contaminadas).

O processo de classificação considera a informação obtida pelas prefeituras municipais, análise de campo, registros administrativos e bases de dados geoespaciais. Os aglomerados subnormais são popularmente conhecidos como favelas, comunidades, vilas e outros termos.

RN tem a menor proporção de domicílios em favelas do Nordeste

De 1.054.122 domicílios existentes no Rio Grande do Norte, 41.868 estão localizados em favelas. Isso representa 3,97% do total de residências potiguares, a menor proporção entre os estados da região Nordeste.
A Bahia (10%) possui a mais alta proporção de região. Das 27 unidades da federação, o Amazonas (34,54%) tem o maior percentual de casas nessa situação. O Mato Grosso do Sul (0,74%) está na outra extremidade do ranking.

Capitais


Natal tem 13% de seus domicílios dentro de favelas. São 33.372 casas em aglomerados subnormais de um total de 256.794 domicílios natalenses. Essa é a segunda menor proporção entre as capitais da região Nordeste, maior apenas do que João Pessoa (12,49%). Na comparação com todas as capitais estaduais, a cidade do sol tem a 13ª melhor posição.

Municípios potiguares


Fora da capital, São Gonçalo do Amarante possui o maior percentual de residências em favelas do RN: 2.558 domicílios de um total 37.632. Isso corresponde a 6,80% das residências são-gonçalenses. Em seguida, estão os municípios de Mossoró (4,31%), Extremoz (2,66%), Parnamirim (2,10%), São José de Mipibu (0,27%) e Macaíba (0,10%).

Dos 100 aglomerados subnormais em território potiguar, 56 estão em Natal, 15 em Mossoró, 13 em Parnamirim e os demais distribuídos nos maiores municípios da região metropolitana de Natal.

Compartilhar