Categoria: Educação

As inscrições para o 1º Prêmio Capes Talento Universitário, que busca reconhecer o desempenho dos alunos com elevado grau de desenvolvimento de competências cognitivas, estão abertas. Alunos de todas as áreas, nas modalidades presencial e a distância, podem participar da disputa, segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Serão premiados 1 mil estudantes da graduação matriculados em instituições de ensino superior públicas, privadas ou militares que entraram na universidade em 2019. Cada um dos vencedores receberá R$ 5 mil. Para participar, o estudante deve ser brasileiro e ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017 ou 2018.

A prova de 80 questões de múltipla escolha de conhecimentos gerais será aplicada em 60 municípios das 27 unidades da Federação. Os interessados devem se inscrever no site até 12 de novembro de 2019. O resultado será divulgado até 31 de janeiro de 2020.

Agência Brasil

Foto: EBC

Redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que tiraram a nota máxima têm pelo menos seis pontos em comum: demonstram domínio da modalidade escrita formal, respeitam os direitos humanos, têm proposta de intervenção para o problema apresentado no tema, têm repertório sociocultural, atendem ao tipo textual dissertativo-argumentativo e apresentam as características textuais fundamentais, como coesão e coerência.

Esses foram os aspectos destacados por especialistas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) que comentaram sete redações que tiraram a nota mil no Enem 2018. O tema do ano passado foi Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet.

As redações nota mil e os comentários dos especialistas estão na Cartilha do Participante, disponível no site do Inep. A prova de redação do Enem 2019 será aplicada neste domingo (3) para cerca de 5,1 milhões de candidatos inscritos no exame. Além da redação, eles farão as provas de ciências humanas e linguagens.

A cartilha traz também exemplos de trechos que fizeram com que os participantes zerassem as competências analisadas pelos corretores. Cada uma das cinco competências vale 200 pontos.

Um dos quesitos é respeito aos direitos humanos. De acordo com o Inep, são consideradas desrespeito aos direitos humanos propostas que incitam as pessoas à violência, ou seja, aquelas em que transparece a ação de indivíduos na administração da punição – por exemplo, as que defendem a “justiça com as próprias mãos”.

No ano passado, zeraram essa competência os textos que incitavam tortura e cárcere privado a pessoas que faziam o uso do controle de dados para a manipulação, que promoviam censura e vigilância em massa, que impediam a liberdade de acesso à informação e comunicação de qualquer pessoa ou grupo e que negavam direitos humanos a qualquer pessoa.

Algumas dicas, de acordo com a cartilha, são importantes para ir bem na prova. O Inep aconselha: “Procure escrever sua redação com letra legível, para evitar dúvidas no momento da avaliação. Redação com letra ilegível poderá não ser avaliada”. Ler mais…

SEEC/ASSECOM – Com o objetivo de estimular o interesse pelo empreendedorismo entre os estudantes do ensino médio, a Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC), por meio da Subcoordenadoria de Ensino Profissionalizante (Suep), desenvolverá, em todas as escolas de ensino médio profissionalizante da rede estadual, a aplicação do componente curricular de Empreendedorismo. A disciplina será realizada por meio de uma parceria com o programa Despertar, iniciativa Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RN), e contemplará estudantes da 1ª e 2ª séries do ensino médio.

Prevista para ser ofertada a partir do quarto bimestre escolar, que se inicia no mês de outubro, em 63 escolas de ensino médio no Estado que trabalham a educação profissional, a disciplina Empreendedorismo será realizada por meio de uma metodologia que estimule nos estudantes uma visão empreendedora do mercado de trabalho, para que eles possam identificar suas potencialidades, bem como contribuir com o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Além disso, esse componente curricular abordará conteúdos que antes eram restritos somente aqueles que participavam do programa Despertar, desenvolvido pelo Sebrae em parceria com as Secretarias Estaduais de Educação e cujo objetivo é estimular a cultura do empreendedorismo entre os alunos do ensino médio. “Queremos dar aos nossos jovens oportunidades para que eles possam construir seu futuro. Trabalhar com o empreendedorismo na escola permite aos estudantes terem noções básicas sobre o mercado, vivenciando, entre outras coisas, o trabalho em equipe e princípios de liderança”, explica Getúlio Marques, secretário de Educação do RN.

Para o assessor pedagógico da Suep, Frederico Affonso, a iniciativa trata-se também de uma ação inclusiva, pois, possibilita aos estudantes da rede pública de ensino, acesso a conteúdos formadores, fundamentais à educação empreendedora. “Nós esperamos que essas escolas de educação profissional tenham uma prática mais significativa, e com essa assessoria do Sebrae a buscamos otimizar o tempo e a qualidade dessas aulas que são ofertadas para os alunos da rede pública”, destaca o assessor.

Aplicação

A aplicação da disciplina será realizada por meio de 22 encontros presenciais, divididos em 44 horas em sala de aula e 16 horas para atividades de campo. Como encerramento do componente curricular, será realizada uma Feira de Empreendedorismo, na qual os alunos apresentarão propostas de projetos inovadores desenvolvidas ao longo das aulas.

Antes da implantação da disciplina, no entanto, os professores de ensino profissionalizante das escolas estão passando por uma fase de formação, na qual os conteúdos do programa Despertar são apreendidos, para que sejam abordados em sala de aula. Essa capacitação divide-se em dois momentos, sendo o primeiro online por meio de uma plataforma do Sebrae, e o segundo presencialmente, na sede do Sebrae de cada região.

Após essa formação, prevista para ser finalizada no mês de setembro, a disciplina começa a ser implantada como componente obrigatório. A mediação a nível regional para formação dos professores é realizada pelas Diretorias Regionais de Educação e Cultura (DIRECs), unidades gestores da SEEC, de cada região.

Foto: Ares Soares/Unifor

G1 RN – A hora do fechamento dos portões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Rio Grande do Norte em 2019 será alterada, por causa do fim do horário de verão. Desta vez, as provas serão aplicadas uma hora mais tarde no estado potiguar, de acordo com o Ministério da Educação. O Enem ocorrerá nos dias 3 e 10 de novembro.

Os portões de acesso aos locais de prova serão abertos às 12h e fechados às 13h. A prova terá início às 13h30 e o término deve acontecer às 19h. O RN segue o horário de Brasília, assim como os demais estados nordestinos.

No primeiro dia, os candidatos terão cinco horas e meia para fazer a prova. Já no segundo dia de aplicação, os estudantes terão cinco horas para responder às questões. Conforme o edital do Enem, os estudantes que chegarem após o fechamento dos portões ou esquecerem de levar documento de identificação com foto não poderão fazer a prova.

Foto: Marcello Casal Jr

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga hoje (16) o Cartão de Confirmação da Inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019. Entre outras informações, os estudantes terão acesso ao local onde farão o exame neste ano. As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro.

“A recomendação primeira é que o participante imprima o cartão de confirmação e, aqueles que precisam, imprimam a declaração de comparecimento e levem os dois para a aplicação do exame”, disse à Agência Brasil o diretor de Gestão e Planejamento do Inep, Murillo Gameiro.

Uma vez sabendo o local de aplicação, o diretor recomenda que os participantes façam o trajeto de casa até o lugar, para avaliar a duração do trajeto no dia da prova: “o participante deve conhecer o trajeto até o local de prova, considerando que no dia da prova vai ter um trânsito mais complicado, e haverá várias pessoas participando do Enem. É bom que o participante conheça o trajeto e saiba o tempo que vai gastar de casa até o local da prova.”.

No dia do Enem, a dica é chegar no local com antecedência. Os portões abrirão às 12h, pelo horário oficial de Brasília, e serão fechados às 13h.

O Cartão poderá ser consultado na Página do Participante, na internet, ou pelo aplicativo do Enem, disponível para download nas plataformas Apple Store e Google Play. Para acessar o Cartão, o participante precisa informar a senha cadastrada na hora da inscrição no Enem 2019. O Inep divulgou um vídeo orientando aqueles que perderam a senha sobre como recuperá-la.

Os estudantes poderão conferir, no Cartão, o número da sala onde farão o exame; a opção de língua estrangeira feita durante a inscrição; e o tipo de atendimento específico e especializado com recursos de acessibilidade, caso tenham sido solicitados e aprovados; entre outras informações. Ler mais…

Videoaulas, podcasts e resumos online são alguns dos recursos digitais que podem ajudar os estudantes a revisarem o conteúdo na reta final para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), de acordo com especialistas entrevistados pela Agência Brasil. É preciso, no entanto, tomar alguns cuidados para se certificar de que as plataformas são confiáveis.

“Ferramentas online são recursos poderosos para o estudante de hoje”, disse a educadora Andrea Ramal, autora do livro Redação Excelente! Para Enem e Vestibulares.

“Elas permitem que o estudante veja a mesma matéria que estuda na sala de aula e nos livros explicada por outra pessoa. É um recurso interessante porque às vezes o estudante não tem afinidade com a maneira do professor explicar na sala de aula e, na internet, tem acesso a outros professores, a blogueiros, a youtubers falando desses conteúdos”, explicou.

As opções são muitas, gratuitas e pagas, os conteúdos podem ser em formato de vídeo, de áudio, ou mesmo textos. “E isso acaba sendo suporte, como se fosse uma aula de reforço, de revisão”, afirmou o coordenador do Curso Poliedro, Márcio de Castro Junior Guedes. “Há a possibilidade de salvar, de voltar [no caso de vídeos e áudios], de pausar, de acelerar e de, depois, retomar os conteúdos expostos”, complementou o coordenador pedagógico do Colégio Mopi, Luiz Rafael Silva da Silva.

Como aproveitar melhor

Com tantas opções, Silva ressalta que é preciso planejar os estudos. “Não é sair abrindo vídeo. É importante que se tenha planejamento, têm que ser conteúdos que complementem o que se planejou estudar a cada dia. Cada vez mais se observa que quem vai melhor no Enem é que consegue se organizar e ter uma rotina de estudos”, detalhou.

Segundo Guedes, outra estratégia é, além de assistir e ouvir as aulas, fazer exercícios para verificar se, de fato, o conteúdo foi apreendido, e não deixar os livros de lado. “Quando assistimos uma aula e entendemos, temos a falsa impressão que aprendemos. Aprender envolve estudo, entrar em contato com livros, com exercícios. Aprendemos quando temos dúvidas. Isso é fundamental. O aluno aprende em função de erros, erra e aprende”, sustentou. Ler mais…

No mês de setembro, na Escola Municipal Jornalista Rubens Manoel Lemos, aconteceram as atividades do Projeto de Extensão “Ações Socioeducativas dos Mestrandos nas Escolas da Rede Municipal de Ensino”, em alusão ao Dia da Árvore, comemorado no dia 21 do último mês. Pela manhã, após um ato cívico, foram realizadas dinâmicas com as crianças da escola, além de oficinas e palestras ministradas pelos alunos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais (PPGCFL) e da Graduação em Engenharia Florestal, com o objetivo de despertar a conscientização ambiental.

“A importância desse projeto está em conscientizar as crianças desde o início da sua formação educacional a cuidarem do ambiente escolar delas, das plantas, das árvores e isso se estender como valores para a vida. A gente trabalhar o não jogar lixo na rua, a reciclagem e é possível mudar esses comportamentos a médio e longo prazo que estão enraizados em nossa cultura, infelizmente”, diz o professor e responsável pelo projeto Mauro Vasconcelos Pacheco, 40 .”Em meio a tantos problemas ambientais, desmatamentos, podemos despertar essa conscientização e disseminar esses aprendizados, ensiná-las cuidar do entorno delas, da floresta urbana”, conclui Pacheco.

A Escola Municipal Jornalista Rubens Manoel Lemos foi a primeira a receber a ação e a ideia é ampliar para outras escolas dos municípios de Natal, Parnamirim e Macaíba. A ideia surgiu de acordo com a mudança da lista de avaliação dos programas de pós-graduação por parte da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível superior (CAPES), a qual pede que os programas tenham atividades relacionadas à inserção social. Vinte e dois estudantes foram convidados a participar do projeto, 18 da pós-graduação e quatro da graduação, que levaram as ideias do que seria trabalhado nas oficinas. O foco foi observar a dinâmica do evento e realizar melhorias, buscando envolver cada vez mais os alunos.

Neste sentido, a coordenação do evento defende que “a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e a Escola Agrícola de Jundiaí dão retorno de diversas formas para a sociedade, ao atuar como agente de transformações sociais, por exemplo, seja através dos projetos de Pesquisa ou Extensão. A ação foi pensada em como esse retorno pode acontecer, além de ser de suma importância para a avaliação da CAPES, melhorar nosso conceito e envolver os alunos nas ações sociais”. Ler mais…

Hoje (4) é o último dia para que estudantes já matriculados no ensino superior privado concorram às bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (ProUni). As inscrições são feitas pela internet, pelo portal do ProUni.

Podem concorrer às bolsas brasileiros sem diploma de curso superior e que tenham participado de qualquer edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, com nota superior a 450 pontos e sem ter zerado a prova de redação.

Professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica e que não tenham participado do Enem, podem se inscrever às bolsas de estudo em cursos de licenciatura.

Nessa etapa, não há chamadas ou nota de corte diária. A ocupação das bolsas é realizada conforme a ordem de inscrição. Ao concluir a inscrição, a bolsa automaticamente é reservada ao candidato. As bolsas de estudo podem ser integrais, de 100% do valor da mensalidade, ou parciais, de 50% da mensalidade.

Quem for selecionado deverá comparecer à instituição de ensino nos dois dias úteis após a inscrição para comprovar as informações prestadas. Ler mais…

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano terá como foco conhecimentos objetivos. Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a preocupação do Ministério da Educação (MEC) será selecionar os melhores alunos para ocupar as vagas no ensino superior.

“Não vai cair ideologia, a gente quer saber de conhecimento científico, técnico, de capacidade de leitura, de fazer contas, de conhecimentos objetivos”, afirmou o ministro que participou ontem (24) do programa Brasil em Pauta, da TV Brasil, da EBC.

Ele acrescentou que o interesse do MEC é “simplesmente selecionar as melhores pessoas para ocupar as vagas nas faculdades. A nossa preocupação é mérito, só”.

Após polêmica envolvendo questões do Enem no ano passado, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação, criou, no início deste ano, um grupo responsável por “identificar abordagens controversas com teor ofensivo a segmentos e grupos sociais, símbolos, tradições e costumes nacionais” e, com base nessa análise, recomendar que tais itens não fossem usados na montagem do Enem 2019.

O ministro ressaltou, na entrevista, que a aplicação do exame este ano está garantida. Ler mais…

O projeto de pesquisa “Encontros literários: a formação do leitor e escritor jovem” é coordenado pelos Professores Julianne Pereira dos Santos e Rafael Borges, e tem como objetivo a formação do leitor e escritor jovem. A atividade foi idealizada no ano de 2017 e colocada em prática a partir de 2018. Os docentes, na tentativa de estimular a leitura e torná-la mais reflexiva e produtiva, pensaram nos encontros semanais.

Inicialmente, os encontros foram pensados sob a perspectiva dos estudantes lerem, discutirem e debaterem textos de autores consagrados, dos quais gostavam e se identificavam. Segundo Julianne, inicialmente os encontros aconteceram dessa forma, mas a proposta inicial apresentada foi sendo alterada ao longo dos encontros. “No começo foi assim, mas depois eles começaram a mandar textos através do e-mail do grupo de leitura, uns de forma anônima e também sob pseudônimos”, comenta.

Os estudantes também passaram a inserir os textos de própria autoria. A docente fala que a iniciativa dos alunos foi algo inesperado. “Para a gente foi maravilhoso porque era uma demanda que não estávamos esperando e foi muito crescente, então além do encontro de leitura, se tornou também um encontro de escrita”, afirma.

O ambiente é caracterizado como um lugar de acolhimento, onde os discentes se sentem à vontade para compartilhar as próprias escritas. Outra característica do encontro é que este não possui um método avaliativo ou crítico, ou seja, o objetivo é estar ali para debater acerca das leituras e fazer reflexões a partir delas. Exemplos do que é feito na atividade é o que a leitura desperta e o que os textos despertam sobre determinada temática.

O debate sobre sociedade, sobre temas existenciais, sobre a vida, o amor e adolescência são pautas abordadas no encontro a partir das leituras realizadas.

No ano passado foi feito um livro com os trabalhos de autoria dos próprios alunos e também textos dos idealizadores do projeto. Junto ao lançamento do livro, foi realizado um colóquio com alunos e professores, onde alguns desses docentes falaram acerca da importância da leitura e a formação do jovem leitor.

A evolução dos alunos quanto à leitura e escrita também é algo perceptível. Alguns deles participam desde o ano passado e é evidente um maior envolvimento com a leitura e uma maior afinidade com a escrita, o que os torna cada vez mais reflexivos e críticos quanto à determinados temas.

A coordenadora do projeto diz ainda que outra motivação para o surgimento dos encontros foi o fato de sempre estar ligada à literatura. “Acho que, enquanto professora, não tem como fugir da importância da leitura. Tanto eu quanto Rafael, nós tínhamos esse interesse do estímulo à leitura, e na sala de aula não tem como trabalhar tanto esse aspecto quanto gostaríamos, por isso idealizamos a atividade”.

Os coordenadores têm a perspectiva de seguir com o projeto e esperam que ele dure por muito tempo. Pretendem também realizar atividades semelhantes ao lançamento do livro do ano passado. Outro objetivo é de que o projeto cresça ainda mais, fazendo com que a comunidade acadêmica tenha interesse, participe e se envolva com as ações do grupo.

Os encontros literários acontecem às quintas feiras ao meio dia, no prédio do Ensino Médio da EAJ.

Comunicação EAJ

O aluno de Estatística da UFRN Rayland Matos Magalhães. Foto: Cícero Oliveira

O aluno do curso de Estatística da UFRN, Rayland Matos Magalhães, criou uma ferramenta para auxiliar o cidadão a monitorar os gastos dos deputados de uma forma descomplicada: basta digitar o nome do deputado federal na tela de pesquisa e logo em seguida o sistema vai disponibilizar o total de gastos e reembolsos demandados pelo parlamentar. Além disso, um gráfico apresenta os dez tipos de gastos mais frequentes, em que tipo de empresa o deputado pede mais reembolso, o tipo de serviço contratado e os fornecedores.

Esses e outros dados já são disponibilizados pela Câmara Federal através da Lei de Acesso à Informação, mas nem sempre são compreensíveis para pesquisa ou simples de submeter a análises comparativas. Com a ferramenta desenvolvida no laboratório do Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET) e acessível neste link, o eleitor pode facilmente conferir o quanto o seu representante custa mensalmente e até julgar se ele está gastando o dinheiro público de maneira adequada.

A ferramenta traz as cotas parlamentares do ano de 2009 até hoje. São mais de três milhões de registros que podem ser acessados através de computador ou smartphone. Para o inventor da ferramenta, a informação é um poderoso meio de acompanhamento e investigação de possíveis desvios de verba. “Eu, por exemplo, não votaria em um deputado que seguidamente paga milhares de reais em combustíveis e lubrificantes no mesmo posto ou que gasta um percentual exorbitante com divulgação em uma agência de publicidade da família ou de amigos. Isto pode facilmente ser monitorado pela ferramenta”, explica Rayland.

O projeto tem como orientador o professor do curso de Estatística, Marcus Nunes, que utilizou como base um módulo escrito em python (Python Software Foundation, 2017) para criar um pacote em R (R Core Team, 2018) com os dados compactados referentes aos pedidos de reembolsos dos deputados federais, com a intenção de difundir estas informações. O próximo passo da plataforma, que continua em desenvolvimento, é utilizar ferramentas de machine learning para detectar possíveis fraudes nos pedidos de reembolso dos parlamentares.

Reembolso

O Estado do Rio Grande do Norte é representado por oito deputados federais, que de acordo com informações da Câmara Federal gastaram juntos o equivalente a R$ 1.199.939,80, apenas no primeiro semestre de 2019, em dados atualizados até o dia 22 de julho. Em média cada um dos representantes gastou R$ 149.992,48, ou seja, 62% do valor total da cota parlamentar à qual cada um tem direito.

O reembolso de gastos com passagens aéreas, telefonia, serviços postais, manutenção de escritórios de apoio, alimentação, hospedagem, aluguel de carros, locação ou fretamento de aeronaves e embarcações, serviço de táxi, pedágio e estacionamento, combustíveis e lubrificantes (até o limite mensal de R$ 6 mil), serviços de segurança, contratação de consultorias e trabalhos técnicos, divulgação de atividade parlamentar, participação em cursos, palestras e congressos e complementação de auxílio-moradia, é previsto em lei, desde que aconteça durante o exercício da atividade parlamentar.

Vilma Torres de Agecom

Foto: Comunicação EAJ

Os estudantes da Escola Agrícola de Jundiaí Gabriel Sebastião do Nascimento Neto, Miller Matheus Lima Anacleto Rocha e Thiago Vinicius Cardoso Lopes, todos de 16 anos, estão entre os únicos representantes do Rio Grande do Norte na Olimpíada Brasileira de Informática. A disputa tem como objetivo despertar nos alunos a Ciência da Computação através de atividades que envolvem desafio, engenhosidade e competição.

A EAJ iniciou com 21 participantes na modalidade Programação, nos níveis P1, com alunos do 1º ano do Curso Técnico em Informática, e do P2, com alunos do 2º e 3º anos. Desses 21, 6 avançaram para a segunda fase. No nível P1, apenas 3 competidores do Rio Grande do Norte avançaram para a segunda fase, sendo 2 da Escola Agrícola, Gabriel Sebastião e Miller Mateus Rocha. Foram estes dois os únicos que seguiram para a terceira fase. No nível P2, o competidor Thiago Vinícius, da EAJ, foi selecionado para a fase nacional, sendo apenas 19 em todo Estado. Os participantes ganham certificados de honra ao mérito e medalhas.

A Olimpíada Brasileira de Informática ocorre desde 1999 e desempenha importante papel para os estudantes da área tecnológica, que avança em todo país. É organizada pelo Instituto de Computação da Unicamp, com apoio da Sociedade Brasileira de Computação. Os competidores recebem um caderno de questões e têm um tempo para pensar e escrever suas soluções na linguagem de programação em que mais se sentirem confortáveis e que são aceitas pela Olimpíada, como C, C++, Java, Javascript, Python e Pascal.

Ela é dividida nas fases Local, Regional e Nacional. No nível P2, os melhores competidores são convidados para um curso de uma semana na Unicamp de preparação para a Olimpíada Internacional de Informática e são novamente selecionados para compor a equipe que representa o Brasil. Ler mais…

Foto: Marcello Casal Jr

Termina nesta quarta-feira (11) o prazo para que estudantes que ainda não estão matriculados no ensino superior concorram a uma das vagas que não foram preenchidas no processo seletivo regular do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas no site do programa.

Para se inescrever, é preciso ter participado do Exame Nacinal do Ensino Médio (Enem), em qualquer edição a partir de 2010. É preciso ter obtido nota igual ou superior a 450 pontos no exame e não ter tirado zero na redação. Além disso, os candidatos precisam ter renda mensal bruta familiar de até três salários mínimos.

As vagas serão ocupadas conforme a ordem de conclusão das inscrições, que garantem ao candidato apenas a expectativa de direito à vaga remanescente para a qual se inscreveu. O candidato só terá a certeza de que conseguiu a vaga depois que validar as informações na instituição de ensino em até dois dias úteis após a inscrição.

Aqueles que não quitaram o financiamento anterior pelo Fies ou pelo Programa de Crédito Educativo não podem se inscrever, assim como os que têm atualmente financiamento do Fies.

Os candidatos já matriculados em instituições de ensino têm prazo maior para se inscrever, até 29 de novembro.

Agência Brasil

Começa hoje (4), o processo seletivo para vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) referente ao segundo semestre de 2019. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas pelo site do programa. As vagas são aquelas que não foram ocupadas no decorrer dos processos seletivos regulares do Fies, por desistência dos candidatos pré-selecionados ou falta de documentação, por exemplo.

Assim como ocorre desde o segundo semestre de 2015, houve o estabelecimento de cursos prioritários. Até sexta-feira, 6 de setembro, serão ofertadas somente as vagas remanescentes nas áreas: saúde, engenharia e ciência da computação, licenciatura, pedagogia normal e superior. A partir do dia 7, serão oferecidas vagas para todas as áreas. Candidatos não matriculados em Instituição de Educação Superior podem se inscrever até 11 de setembro. Para os matriculados o prazo vai até 29 de novembro.

Para participar do processo seletivo, o candidato deve ter participado do Enem, a partir da edição de 2010, com média igual ou superior a 450 pontos e nota na redação superior a zero. O candidato precisa ainda comprovar renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos. Ler mais…