Pregão dos royalties é deserto e frustra planos do governo para pagar salários dos servidores

O governo não conseguiu despertar o interesse de nenhuma instituição financeira para cessão dos royalties de petróleo e gás. Em pregão eletrônico realizado nesta sexta-feira (26), o Estado não recebeu propostas – e com isso o Executivo não conseguirá antecipar recursos para quitar salários dos servidores estaduais.

Em entrevista recente ao programa RN Acontece, o secretário de Planejamento do Estado, Aldemir Freire, chegou a dizer que havia pelo menos sete bancos interessados na cessão dos royalties.

“A gente fez uma rodada de apresentação do projeto em São Paulo, onde participaram sete instituições financeiras. No geral, não são muitos bancos que vão participar da operação. Então a gente acha que a concorrência vai ficar entre esses sete”, disse Aldemir Freire em entrevista no último dia 15, em entrevista ao RN Acontece.

Na ocasião, o secretário explicou ainda que a transação é diferente de um empréstimo tradicional e que envolve mais riscos. A expectativa do governo é conseguir no mínimo R$ 315 milhões para aplicá-lo integralmente no fundo previdenciário.

O pregão eletrônico oferecia créditos de royalties do petróleo e gás natural ao Estado relativos ao período de 1º de maio de 2019 a 31 de dezembro de 2022. O lance mínimo previsto era de R$ 315 milhões, para uma contrapartida de R$ 400 milhões, que seria paga à instituição financeira que oferecesse a maior proposta. A previsão de arrecadação dos royalties até dezembro de 2022 é de R$ 559,9 milhões.

Fonte: Portal Nominuto.com

Compartilhar