Prouni do 1º semestre de 2020 abre inscrições em 28 de janeiro

As inscrições da edição do primeiro semestre de 2020 do Programa Universidade Para Todos (Prouni) começam em 28 de janeiro. O edital foi publicado na edição desta segunda-feira (23) do “Diário Oficial da União”. Para se candidatar às bolsas é necessário ter feito a edição de 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e se inscrever pelo site do programa.

O Prouni, criado em 2004, oferece bolsas de estudo parciais (que cobrem 50% da mensalidade) e integrais em universidades privadas em cursos de graduação e de cursos sequenciais de formação específica.

O programa tem dois critérios de avaliação: desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a avaliação da renda familiar. Alunos que concluíram o ensino médio na rede pública e privada podem concorrer a uma bolsa.

Cronograma do Prouni 2020

•Início das inscrições: 28 de janeiro de 2019
•Fim das inscrições: 31 de janeiro de 2019 (às 23h59)
•Primeira chamada: 4 de fevereiro de 2019
•Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 4 a 11 de fevereiro de 2019
•Segunda chamada: 18 de fevereiro de 2019
•Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 18 a 28 de fevereiro de 2019
•Adesão à lista de espera: 6 a 9 de março de 2020

Como funciona o Prouni?

O Prouni é um sistema que seleciona candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para vagas em cursos de graduação de instituições privadas com bolsa de estudos parcial ou integral, segundo a nota do exame.

Cada candidato pode selecionar até duas opções de curso durante o período de inscrições pela internet.

Ao final da seleção, os candidatos aprovados devem levar até as instituições os documentos para comprovar que atendem os requisitos de bolsistas.

Quem pode se inscrever no Prouni?

Para participar, o candidato precisa ter feito a edição 2018 do Enem e não pode ter um diploma do ensino médio. Também é preciso se enquadrar em um dos seguintes critérios de renda:

•Para concorrer às bolsas integrais: renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo
•Para concorrer às bolsas parciais: renda familiar bruta mensal per capita de até 3 salários mínimos

Além disso, é preciso se encaixar em pelo menos uma das seguintes situações:

•ter cursado o ensino médio completamente em escola pública
•ter cursado o ensino médio completamente em escola privada, desde que na condição de bolsista integral
•ter cursado o ensino médio parcialmente em escola privada, desde que na condição de bolsista integral
•ser portador de uma deficiência
•ser professor do quadro permanente de uma escola pública (nesse caso, o critério de renda familiar não se aplica)

G1

Compartilhar