Tecnologia desenvolvida na UFRN proporciona maior eficiência em processos industriais

As transformações que ocorrem causadas pelo advento da automação, sobretudo neste século XXI, muitas vezes não estão visíveis para grande parte das pessoas que não convivem no ambiente de fábricas e indústrias, apesar de ser uma tendência perceptivel na crescente automatização dos bancos, do comércio e das empresas em geral. Uma tecnologia desenvolvida na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), denominada Controlador PID não linear por modelo de referência, permite aumentar a eficiência de processos como esses, desde a agricultura, passando pelas empresas de alta tecnologia, indústria aeroespacial, automotiva, alimentar, têxtil e indústria médico hospitalar, até pequenas atividades da comodidade urbana como a automação residencial e principalmente nas atividades do futuro, como a Internet das Coisas (IoT) e a indústria 4.0.

Um dos cientistas autores da invenção, Samaherni Morais Dias, explica que o controlador PID não linear por modelo de referência é um sistema de controle automático para atuar no controle de processos industriais. Diferenciando do atualmente existente, o professor da UFRN coloca que o controlador possui estrutura semelhante ao mais amplamente utilizado na indústria, porém com a vantagem de reduzir a complexidade do cálculo dos parâmetros utilizados e pelo fato de ser mais resistente às oscilações dos processos industriais.

“Não necessitar do conhecimento dos parâmetros do processo é também um grande avanço. O conhecimento exato dos parâmetros do processo é necessário para que se possa calcular os parâmetros do controlador PID tradicional. Porém, esse conhecimento exato é quase impossível, o que obriga realizar ajustes nos parâmetros do controlador tradicional de forma empírica e totalmente dependente da experiência do projetista. Utilizando a abordagem tradicional, raramente o controlador fica em seu melhor ajuste, o que implica em perdas nos processos industriais. Para além disso, muitos desses parâmetros se alteram com o tempo, o que obriga as indústrias operarem com os controladores desregulados ou mantendo operadores para constantemente ajustar os parâmetros dos controladores PID tradicionais”, pontuou Samaherni Dias que, ao lado dos cientistas Kurios Iuri Pinheiro de Melo Queiroz e Aldayr Dantas de Araújo, desenvolveu o invento no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecatrônica da UFRN.

Os pesquisadores citaram como exemplos de aplicação situações conexas ao controle de dispositivos hidráulicos, dispositivos pneumáticos e da manufatura, bem como, no controle de pistão pneumático ou hidráulico nas linhas de montagem das mais diversas indústrias. A pesquisa resultou em um depósito de pedido de patente no mês de dezembro de 2019, o 31º da UFRN no ano, o que o igualou aos anos de 2017 e 2015 como períodos recordistas neste aspecto, segundo relatório da Agência de Inovação (AGIR) da UFRN.

De acordo com o diretor da Agência, Daniel de Lima Pontes, o invento passou por uma análise no que diz respeito a aspectos como novidade, capacidade inventiva, aplicação industrial e suficiência descritiva, necessários para a solicitação de patenteteabilidade. As orientações e explicações a respeito dos aspectos para patentear uma determinada invenção são dadas na própria AGIR, unidade localizada no prédio da Reitoria, ou através do e-mail patente@agir.ufrn.br. Daniel Pontes frisou que o depósito já permite que a tecnologia esteja disponível para o setor produtivo aproveitá-la para melhorar seus processos e fluxos de trabalho. “Inclusive com a reestruturação da AGIR, temos um setor especificamente para facilitar a transferência das tecnologias, o qual realiza atividades de planejamento e promoção de ações para estimular o licenciamentos de tecnologias da UFRN”, afirmou o diretor.

ASCOM – Agência de Inovação/UFRN

Compartilhar