Instituto de Medicina Tropical realiza quase 6 mil testes da covid-19

Foto: Anastácia Vaz

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou 5.975 mil testes da covid-19 até esta quinta-feira, 25 de junho. A unidade está oferecendo cobertura para diversos municípios do estado, com a realização do exame de diagnóstico molecular, que é o método chamado de PCR.

Dos 5.975 testes realizados, 3.282 deram positivo e 2.602 deram negativos, sendo que 91 ainda estão em análise. A testagem do IMT está sendo realizada com recursos do Ministério da Educação (MEC), para compra de insumos, e com equipamentos obtidos com verba destinada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Nessa perspectiva, o IMT vem aumentando a quantidade de testes e a capacidade de cobertura no estado, visto que hoje atende aos municípios de Apodi, Mossoró (4 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e o Hospital Wilson Rosado), Caraúbas, Cruzeta, Janduís, Dix Sept Rosado, Natal (4 UPAs, 5 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e o Hospital dos Pescadores), além de realizar exames para os profissionais de saúde e da força-tarefa do próprio IMT e dos hospitais universitários (Hospital Universitário Onofre Lopes, Maternidade Escola Januário Cicco e Hospital Universitário Ana Bezerra).

A diretora do IMT, Selma Jerônimo, explicou que o teste PCR é destinado a indivíduos que tenham sintomas da covid-19, como febre, tosse seca, cansaço, dificuldade de respirar, entre outros sinais. Sendo assim, a solicitação do teste ocorre com avaliação médica, analisando o quadro clínico do paciente para prescrever o teste mais adequado em cada situação. “Os exames são realizados por indicação médica e os critérios para realização costumam ser síndrome gripal, com os sintomas bem característicos de covid-19”, esclarece.

PCR

O teste RT-PCR (do inglês, reverse-transcriptase polymerase chain reaction), atualmente, é considerado exame “padrão-ouro” para detectar se o vírus SARS-CoV-2 (causador da Covid-19) está presente no corpo. Com técnicas da biologia molecular, o método tem o intuito de detectar o RNA (material genético) do vírus na amostra coletada do nariz ou da garganta do paciente.

O IMT-UFRN recebe o material colhido nos pacientes, que é encaminhado pelas unidades de saúde. Em seguida, o Instituto realiza a extração do ácido nucleico (informação genética) e a amplificação do material, que é a fase de detecção da presença do vírus. Por fim, o Instituto devolve os resultados para que ocorra a análise epidemiológica da doença.

Os médicos do Instituto também realizam teleatendimento para as pessoas que tiveram o teste positivo. Segundo Selma Jerônimo, esse acompanhamento é importante para esclarecer ao paciente sobre as medidas de proteção e evitar o contágio de outras pessoas, além de esclarecer sobre possíveis complicações. O serviço está disponível para toda população, das 8h às 18h, de segunda-feira a sexta-feira, pelo telefone 84 3342-2300.

Williane Silva de Ascom-Reitoria

Compartilhar